Nuno Melo: silêncio do primeiro-ministro é "inqualificável"

Vice-presidente do CDS-PP diz que o comportamento de António Costa tornou-se "rotina" porque sempre que há uma crise no Governo o "primeiro-ministro está no estrangeiro"

O vice-presidente do CDS-PP Nuno Melo considerou "inqualificável" que o primeiro-ministro continue "calado" sobre o caso da associação Raríssimas, que já provocou a demissão de um secretário de Estado e está a pôr "em causa" o ministro Vieira da Silva.

"Lamento dizer que Portugal tem um primeiro-ministro absolutamente insensível e impreparado para a função", afirmou Nuno Melo à agência Lusa, em declarações a partir de Estrasburgo.

O eurodeputado e 'vice' dos centristas considerou que é "inqualificável" que António Costa ainda não tenha falado sobre a questão da associação Raríssimas, que provocou a demissão do secretário de Estado da Saúde e está a pôr "em causa" o ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, e se tenha limitado "a dar sinal de vida para dizer que 2017 foi um ano particularmente saboroso, ignorando mais de 110 mortos em incêndios que foram trágicos".

que

"Não é normal que já se tenha demitido um secretário de Estado, esteja em causa um ministro e o primeiro-ministro se mantenha calado e ainda não tenha falado ao país sobre isto. Qualquer chefe de Governo faz declarações relevantes de qualquer parte do mundo quando tem de ser", disse.

Portugal, pelo contrário, Portugal "tem um chefe de Governo que escolhe qualquer parte do mundo para estar calado", disse.

Sobre a forma como António Costa se referiu a 2017, Nuno Melo defendeu que não há nenhuma questão económica e financeira "que permita dizer em Bruxelas que o ano foi particularmente saboroso, no exato dia em que em Estrasburgo se discutiu o mecanismo de Proteção Civil Europeu e a tragédia portuguesa esteve em todos os discursos políticos".

O primeiro-ministro considerou na quarta-feira, perante funcionários portugueses das instituições em Bruxelas, que 2017 "foi um ano particularmente saboroso para Portugal", lembrando as mudanças ao longo dos últimos 12 meses.

"Há um ano estávamos aqui, apesar de tudo, já a celebrar não nos terem sido aplicadas sanções, estávamos aqui com alguma esperança de que iríamos conseguir mesmo sair do procedimento por défice excessivo. Mas, a verdade é que podemos olhar para o ano de 2018 já sem receio de sanções, já sem receio de termos de ter novas discussões sobre décimas nominais ou estruturais para o procedimento de défice excessivo e até encarando já com normalidade que o ministro das Finanças português possa ser o próximo presidente do Eurogrupo", referiu.

O secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, demitiu-se na terça-feira do Governo, sendo substituído por Rosa Matos Zorrinho, na sequência de uma reportagem transmitida no sábado pela TVI sobre alegadas irregularidades na gestão da Raríssimas - Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras, financiada por subsídios do Estado e donativos.

Manuel Delgado foi consultor remunerado da Raríssimas, contratado entre 2013 e 2014, com um vencimento de três mil euros por mês.

O ministro da Segurança Social, que pertenceu à Assembleia-geral da Raríssimas entre 2013 e 2015, anunciou uma ação de inspeção à associação e negou ter tido conhecimento de denúncias de gestão danosa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.