Costa fez "bluff" e quer ser "primeiro-ministro à força"

Paulo Rangel alerta para "sedução" que pode fazer do PS o "partido do bota-abaixo". Mas ainda "há socialistas com bom senso"

O eurodeputado Paulo Rangel juntou-se esta tarde aos dirigentes do Partido Popular Europeu nas críticas à coligação que a esquerda está a preparar em Portugal. À margem do congresso da família europeia de PSD e CDS, que decorre em Madrid, o eurodeputado alertou que "as contradições entre PS e PCP e Bloco estão vivas, não estão apagadas".

À semelhança do que disse esta manhã o presidente do PPE, Joseph Daul, Paulo Rangel denunciou que "o mesmo PCP que diz que abdica da saída da UE e do Euro, apresenta uma proposta em Bruxelas para tirar Portugal do euro. O PS e o PCP têm de explicar isto, porque não se trata de algo dito em campanha eleitoral. São medidas pragmáticas que o PCP apresentou já depois das eleições".

O pedido dos comunistas em Bruxelas, para que haja no Orçamento comunitário verbas de ajuda a países que abandonem a zona euro, é para Rangel a prova que "o PCP não deixou cair, nem sequer pôs entre parênteses" a saída da moeda única.

Para Rangel "é normal e ninguém está à espera que PCP e Bloco viabilizem um governo da coligação, mas o PS tem essa responsabilidade e vai ter que decidir se é ou não o partido do bota-abaixo". O eurodeputado defende que o PS "tem de ter sentido de Estado", o que considera que o secretário-geral socialista, António Costa, não teve até agora.

O eurodeputado acusa mesmo Costa de ter feito "bluff com a coligação" sem nunca ter estado realmente interessado em negociar. Rangel considera o líder socialista irresponsaáel, dizendo que "António Costa quer ser primeiro-ministro à força, mesmo que isso signifique aliar-se com um partido que defende a saída do euro". O social-democrata diz, no entanto, que "felizmente há muitos dirigentes socialistas que estão contra esta opção de sedução junto da esquerda radical. Há vários socialistas com bom senso".

Paulo Rangel concorre amanhã para a vice-presidência do PPE e embora não queira fazer prognósticos antes da votação ("nunca falo antes do tempo"), diz estar "confiante" quanto à sua eleição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."