Rangel acusa a coligação de "esquerda populista" e Costa de traidor partidário

Eurodeputado acusa António Costa lançou perspetivas negativas sobre o futuro português e comparou o primeiro-ministro português com David Cameron, ex-primeiro-ministro do Reino Unido

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel antecipou esta sexta-feira que, se o Governo de coligação do PS com "populistas de esquerda radical" continuar a seguir o mesmo caminho, Portugal será "inevitavelmente" conduzido a um novo resgate.

"Aquilo que nós sabemos é que as coisas a continuarem como estão vão levar inevitavelmente a um outro resgate, é caminho que está a ser percorrido todos os dias", afirmou Paulo Rangel, numa 'aula' na Universidade de Verão do PSD, que decorre até domingo em Castelo de Vide.

Numa intervenção pessimista sobre o futuro de Portugal e com ataques duros ao primeiro-ministro, Paulo Rangel considerou que, mesmo que o futuro da União Europeia seja bom, o "episódio" do lançamento de "uma coligação com populistas de esquerda radical" por parte de António Costa" trará um futuro "amargo".

"Auguro que o nosso futuro próximo vai ser amargo e vai ser bem, bem difícil para todos", disse.

Depois de falar longamente sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, o eurodeputado Paulo Rangel partiu do exemplo de de David Cameron para António Costa, argumentando que para "salvar a sua pele", o ex-primeiro-ministro britânico optou por escolher uma solução - o referendo sobre a saída da União Europeia - que o "matou a ele" e colocou os britânicos numa posição "extremamente difícil".

"António Costa é o David Cameron português, porque também foi um político que renegou os seus princípios para salvar a sua pele", sublinhou, acusando o primeiro-ministro de "trair o seu partido" e colocar em risco o seu país para "salvar a sua pele política"

"António Costa, se obviamente não tivesse feito esta coligação com a esquerda radical e populista, o que teria feito? Teria desaparecido como líder. O que é que lhe teria acontecido? Teria desaparecido. A escolha dele era a espada ou a parede e ele preferiu a parede. E agora qual é o futuro de Portugal? Uma parede. O futuro de Portugal é uma parede", vincou.

Pois, continuou, neste momento o crescimento é "uma miséria", o investimento "caiu a pique", a exportações descem e o "célebre milagre económico António Costa, PCP e BE iam fazer, "desapareceu".

"Nós temos, mais uma vez, um político que só para salvar a sua pele é capaz de renegar os princípios do seu partido", referiu, ressalvando que "o PS não é o PS de António Costa".

"António Costa é a perversão do PS, porque fez uma aliança que é uma aliança com forças populistas que põem em risco o país", insistiu.

Paulo Rangel alertou ainda para o facto de Portugal estar "claramente em perda profunda de credibilidade" na Europa, considerando que o país está "completamente atrelado e colado à Grécia outra vez", com o segundo pior crescimento da Europa e as taxas de juro a irem para "limites impensáveis" há um ano.

"Foi feita uma operação de ligação ao PCP, que é um partido que defende a Coreia do Norte, que defende a Venezuela, foi feita uma ligação ao BE, mas um país pode ter credibilidade quando a política é chantageada, é ameaçada, é condicionada por estes dois partidos radicais de esquerda?", questionou Paulo Rangel.

E terminou com um aviso: "Eu não arrisco um milímetro quando digo: estamos em 2016 com António Costa a repetir a receita de 2009 com José Sócrates e pior do que isso: estamos a repeti-la nas mãos do PCP e do BE que vão destruir a economia. Vão ser os portugueses que vão pagar este preço e vão pagá-lo mais alto que do que alguma vez imaginaram".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.