Rangel aceitaria redução da TSU (mas apoia 'não' de Passos)

O eurodeputado do PSD, putativo candidato à sucessão de Passos Coelho, defende-o na decisão de votar contra a descida das contribuições das empresas para a Segurança Social

"Pessoalmente, não tenho nada contra a solução da concertação social, parece-me uma solução aceitável", afirma ao DN o eurodeputado do PSD Paulo Rangel. Mas isto não o impede - pelo contrário - de achar que "o PSD tem toda a razão" agora quando diz que votará no Parlamento contra aquela solução - que é baixar as contribuições das empresas para a Segurança Social (a chamada TSU, taxa social única) para as compensar do aumento do salário mínimo nacional (SMN). PCP e BE já disseram que avocarão ao Parlamento o diploma governamental baixando a TSU assim que este for publicado em Diário da República. E os votos somados destes dois partidos aos do PSD chumbam o acordado na concertação social (ver texto ao lado).

O voto contra do PSD já foi criticado internamente. Manuela Ferreira Leite, por exemplo, afirmou que "sobre essa matéria o PSD devia estar calado, o máximo que devia fazer era abster-se na votação". Isto apesar de ela própria também ser contra a descida da TSU.

Para Rangel, o problema é que o governo já sabia que teria a oposição do PCP e do Bloco de Esquerda se avançasse para esta medida. E, portanto, deveria ter previamente conversado com o PSD para manter a maioria no Parlamento.

"Um acordo de concertação social também pressupõe uma concertação política", afirma. Ou seja: "o governo, quando assume compromissos na concertação social, tem de ter garantias de que isso passa [no Parlamento]. Até poderia ter tido do PSD - mas primeiro teria de ter falado com o PSD e não o fez", explica o eurodeputado (visto no PSD como um possível candidato à sucessão de Passos quando o problema for suscitado). "Como é que o governo, sabendo que nunca teria apoio nesta matéria dos seus partidos parceiros, não procurou previamente apoio do PSD?" "Esta solução tem de ser encontrada pelo quadro que sustenta o governo" e o primeiro-ministro "tem de perceber que isto não um jogo de malabarismo."

Ontem, em Évora, falando na tomada de posse dos órgãos distritais do partido, o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, ironizou com o Bloco de Esquerda e o PCP: "Se a coisa começou assim com a TSU e o salário mínimo nacional, como vai ser o resto do ano? Vão andar sempre a pedir ao PSD para apoiar o governo porque eles, neste ano, estão de baixa, meteram folga?"

Segundo acrescentou, "neste ano, porque há eleições autárquicas ou por outra coisa qualquer, parece que estão desentendidos". Mas, reafirmou, é com o PCP e o Bloco que o governo terá de resolver o assunto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.