"Queremos renovar a fórmula de governação"

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considera que o acordo entre PS, Bloco de Esquerda e PCP foi "revolucionário"

"Queremos continuar a governar, merecemos a renovação da confiança da parte do eleitorado e queremos renovar a fórmula da governação". A afirmação é do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que, em entrevista à TSF, defende a atual solução governativa.

De acordo com Augusto Santos Silva, o acordo entre PS, Bloco de Esquerda e PCP foi "revolucionário". "Damo-nos bem com esta fórmula de governação, foi num certo sentido revolucionária na democracia portuguesa porque acabou com um dos tabus mais persistentes - o tabu de que só o PS, o PSD ou o CDS podiam ser partidos de Governo", defendeu o ministro.

Aos microfones da TSF, Santos Silva considera a ​​​​​fórmula de governação "estável".

"Houve ganhos para todos, sobretudo, para as portuguesas e os portugueses, e portanto queremos renovar essa fórmula. Mas entendemos que a renovação da confiança depositada no PS e a renovação da atual fórmula política passa naturalmente pelo reforço da influência social e política do Partido Socialista", afirmou o governante.

"Livre circulação na CPLP não é uma miragem"

Em entrevista à Manhã TSF, o ministro referiu que está a ser analisada a proposta de Portugal e Cabo Verde para implementar a livre circulação de pessoas na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Uma ideia que "não é uma miragem", garantiu Augusto Santos Silva.

De acordo com o governante, trata-se de "uma espécie de vistos não-Gold". "Temos autorizações de residência para premiar investimento; gostaria de ter autorizações de residência tão simplesmente para premiar a naturalidade, a nacionalidade lusófona", explicou.

À rádio, o ministro detalhou a proposta portuguesa. "Avancemos no reconhecimento automático das habilitações escolares e das qualificações profissionais; avancemos na portabilidade dos direitos sociais (trabalho aqui, posso receber a minha pensão ali) e é fácil avançar para um regime de livre circulação de pessoas no interior da CPLP".

No dia 5 de maio, sábado, assinala-se o Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP e o ministro afirmou que este ano as celebrações vão chegar a 57 países.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.