Quem são os novos juízes do Tribunal Constitucional

Com 43 votos brancos, 16 nulos e 162 votos a favor - uma clara maioria de dois terços nos 221 deputados presentes -, o Parlamento elegeu ontem cinco novos juízes para o Tribunal Constitucional, que agora se juntarão aos oito cujo mandato prossegue.

Costa Andrade (indicado pelo PSD), Cláudio Monteiro (PS), Gonçalo Almeida Ribeiro (PSD), Joana Fernandes Costa (PS) e Maria Clara Santiago Sottomayor (indicada pelo BE) vão substituir Joaquim Sousa Ribeiro (presidente do TC desde outubro de 2012, juiz indicado pelo PS), Maria Lúcia Amaral (atualmente vice-presidente, indicada pelo PSD), Ana Guerra Martins (PS), Carlos Cadilha (PS) e João Cura Mariano (PSD).

O facto de agora o governo PS, apoiado por BE, PCP e PEV, jurar a pés juntos que nunca apoiará medidas de cortes de rendimentos a pensionistas ou funcionários públicos (pelo contrário, está a repor esses rendimentos) faz pensar que os trabalhos que os novos juízes se preparam para enfrentar no Palácio Ratton serão muito diferentes dos que enfrentaram os que estão de saída (cerca de uma dezena de chumbos a diplomas da então maioria PSD/CDS). O único caso complicado que se perspetiva no horizonte é o de uma eventual legalização da eutanásia. O DN explica quem são os novos conselheiros.

Manuel Costa Andrade, professor universitário

Jurista e professor catedrático português da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é um dos mais reconhecidos penalistas e constitucionalistas em Portugal, participou na revisão mais recente do Código Penal. Doutorado em Ciências Jurídico-Criminais com a dissertação intitulada Consentimento e Acordo em Direito Penal: contributo para a fundamentação de um paradigma dualista. Manuel Costa Andrade nasceu em 1944, é casado e reside em Coimbra. Deputado constituinte do PSD, é considerado um dos principais "artesãos" do texto constitucional aprovado em 1976. Militou numa bancada onde pontificavam então personalidades como Barbosa de Melo, Jorge Miranda e o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Este terá tido agora uma influência importante na escolha de Costa Andrade. São os próprios juízes do TC que elegem o seu presidente. Tudo aponta que o penalista de Coimbra venha a ser o novo presidente, dado o seu prestígio académico, mas já aconteceu os conselheiros chumbarem quem veio de fora diretamente para funções de hierarquia no TC. No mandato único de nove anos, os juízes fazem geralmente a primeira metade com simples "vogais" e só na segunda metade ascendem a presidente ou vice-presidente.

Clara Sottomayor, juíza no STJ

Tem deixado marcas por todos os sítios onde passou. Indicada pelo Bloco de Esquerda, Clara Sottomayor vai ocupar um lugar no Tribunal Constitucional depois de ter sido a mais jovem juíza de sempre a chegar ao Supremo Tribunal de Justiça. Há quatro anos (setembro de 2012) entrou no STJ - uma instituição com 60 juízes, dos quais apenas meia dúzia eram mulheres, ao abrigo de uma lei que determina que uma em cada cinco vagas tem obrigatoriamente de ser preenchida por um jurista de mérito. Tinha 46 anos e uma experiência de professora universitária (deu aulas na Universidade Católica Portuguesa, na Escola de Direito do Porto, durante 23 anos), investigadora, juíza social no Tribunal de Família e Menores do Porto e conhecedora de questões de Direito. Natural de Braga, Clara Sottomayo considera-se uma mulher de causas - "luto por aquilo que acho justo e em que acredito" -, defensora da igualdade de género e da igualdade de oportunidades e indigna-se com a "pobreza e com a injustiça". Tem conta no Facebook (coisa rara na magistratura) porque, na sua opinião, os "magistrados devem abrir-se ao mundo e às pessoas".

Cláudio Monteiro, advogado, ex-CDS, amigo de Costa

Advogado, professor universitário, Cláudio Monteiro, de 51 anos, é amigo pessoal de António Costa, uma amizade que se forjou quando ambos frequentaram a Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa. Militou em tempos no CDS, partido de que se afastou depois de Manuel Monteiro ter inscrito na matriz doutrinária do partido um pensamento claramente antieuropeu - e contrário àquilo que o CDS sempre fora até aí. Entre 1995 e 2002 foi deputado independente eleito pelo PS, integrando o Movimento Humanismo e Democracia, um grupo democrata-cristão dissidente do CDS em que predominava Maria do Rosário Carneiro. Nos últimos três anos viveu em Bissau, onde trabalhava como assessor científico da respetiva Faculdade de Direito. Ontem prometeu que continuará a manter a sua página no Facebook mas apenas com considerações de natureza "estritamente pessoal". "Vou continuar a "andar por aí", sempre que possível de bicicleta, a correr ou em viagem." Há algumas semanas pronunciou-se na mesma rede social em favor das teses do governo contra os contratos de associação dos colégios privados.

Joana Costa, de assessora a juíza do TC

Juíza de carreira, 45 anos, foi uma escolha do PS. Foi assessora durante quase dez anos no Tribunal Constitucional (entrou em 2006). Especialista em Direito Penal, foi aluna na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra de Rui Moura Ramos, que nessa altura era o vice-presidente do Tribunal Constitucional, e dois anos depois passou a liderar o TC. Joana Costa publicou há dois anos um livro sobre "o problema da imputação individual do facto coletivo na jurisprudência dos tribunais penais internacionais".

Gonçalo Almeida Ribeiro, professor e colunista

Licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa e doutorado em 2012 em Harvard, é o segundo nome indicado pelo PSD (o outro é Costa Andrade). Dá aulas atualmente na Católica e é consultor numa das principais sociedades de advogados de Lisboa, a PLMJ. Foi consultor da OCDE (2003-04) e do Instituto de Investigação Científica Tropical (2004-05). Integrou ainda a Comissão Científica do 3.º Encontro Presente no Futuro da Fundação Francisco Manuel dos Santos (2014). Tem tido uma intensa colaboração como colunista no jornal online Observador e na legislatura 2011-2015 mostrou-se fortemente crítico da jurisprudência do Tribunal Constitucional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.