Quem precisa de máquina em casa quando a lavandaria self service até tem internet?

Clientes defendem que são mais baratas, ecológicas e cómodas e que assim não precisam de ter máquinas em casa. Lojas oferecem mais serviços, como internet grátis, cafés ou comida.

No episódio piloto da série Seinfeld, George Costanza comenta para Jerry enquanto espera que a máquina da lavandaria self service acabe o ciclo: "Este é o momento mais chato da minha vida". Isto era em 1989, porque atualmente as lavandarias self service não deixam ninguém aborrecido enquanto lava a roupa. Mesmo em Portugal, com um atraso de 30 anos em relação aos Estados Unidos, já ninguém estranha ver pessoas a transportar sacos de roupa suja de um lado para o outro. Isto porque as lavandarias self service apresentam-se como uma maneira barata e cómoda de tratar da roupa, especialmente quando a alternativa passa por gastar centenas de euros para comprar uma máquina de lavar ou de secar roupa. E muitos já não passam sem elas.

"Mais do que uma situação de necessidade foi uma comodidade começar a usar este tipo de serviço. Ao contrário das lavandarias convencionais, temos as peças no próprio dia e a um preço em conta. Mas para mim, a maior vantagem deve ser mesmo o facto de poder contar com uma máquina de secar sempre que preciso. No inverno é das melhores coisas com que podemos contar", explica Irina Iglesias enquanto trata da roupa na Lavadeira Portuguesa, em Lisboa.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.