Queda de telhado em escola de Cascais faz dois feridos

Foram "apenas assistidos no local"

A queda de parte de um telhado de um telheiro da escola básica e secundária Matilde Rosa Araújo, em São Domingos de Rana, concelho de Cascais, fez esta sexta-feira dois feridos ligeiros.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa confirmou ao DN que o incidente fez dois feridos ligeiros que foram "apenas assistidos no local", não havendo necessidade de os levar ao hospital.

Os dois alunos do 5.º e 6.º anos, com cerca de 10 anos, foram atingidos por detritos da cobertura, sofrendo ligeiros ferimentos num ombro e na cabeça, mas foram assistidos numa ambulância dos bombeiros e levados pelos pais para casa, explicou Fátima Fernandes, da Escola Básica e Secundária Matilde Rosa Araújo.

Os alunos encontravam-se no exterior de um pavilhão quando foram atingidos pelos destroços da cobertura do pavilhão, que segundo Fátima Fernandes deverá ser reparada no sábado.

O alerta foi dado às 15:20 e no local estiveram seis veículos e 14 operacionais, de entre bombeiros, PSP e serviços municipais de Cascais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.