Queda de árvore deixou freguesias sem luz durante duas horas

O acidente provocou um curto-circuito , algumas faíscas e cortou a corrente elétrica

A queda de uma árvore sob uma linha de média tensão deixou sem luz, durante cerca de duas horas, a aldeia de Rebordões, em Ponte de Lima, e "várias" freguesias vizinhas, disse à Lusa o comandante dos bombeiros, Carlos Lima.

Segundo o comandante, o incidente ocorreu cerca das 8:43 de hoje, 23 de fevereiro, no lugar de Murjal, Rebordões, quando "um homem procedia à limpeza e abate de árvores num terreno privado, situado junto à capela da Boa Nova, cumprindo a legislação em vigor que obriga a criação de faixas de gestão de combustível de 50 metros em redor dos edifícios inseridos em espaços rurais e de 100 metros em torno de aglomerados populacionais".

O responsável adiantou que "a EDP foi chamada ao local, tendo retirado a árvore com recurso a uma grua e restabelecido o fornecimento de energia elétrica perto das 10:50".

A agência Lusa contactou a direção de redes da EDP Norte mas sem sucesso.

O comandante dos bombeiros de Ponte de Lima explicou que a queda da árvore sobre a linha de média tensão "provocou um curto-circuito e algumas faíscas e cortou a corrente elétrica que fornece várias freguesias mas não causou ferimentos no homem que procedia ao seu abate".

"O homem estava a limpar o terreno e a proceder ao abate de árvores para cumprir a distância obrigatória e algo correu mal porque a árvore caiu no sentido contrário ao pretendido", explicou.

Ao local, além dos bombeiros e do piquete da EDP compareceu uma patrulha da GNR local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."