Quatro encapuzados assaltam ourivesaria na Trofa

Eram 15:35 desta quarta-feira, quando quatro homens assaltaram uma ourivesaria. A proprietária, que estava na loja no momento do assalto, teve de ser assistida pelos bombeiros no local

Quatro encapuzados assaltaram esta quarta-feira uma ourivesaria na Trofa, distrito do Porto, disse à agência Lusa fonte da GNR, sem precisar se estavam armados.

O assalto deu-se cerca das 15:35, na Ourivesaria da Estação, em São Romão do Coronado, naquele concelho, após os quatro encapuzados saírem de uma viatura verde e entrarem no estabelecimento, onde só estava a proprietária.

A GNR não deu conhecimento do valor do material roubado.

Há registo de ferimentos ligeiros na proprietária do estabelecimento e num homem que circulava na zona, mas a GNR nada disse sobre estes detalhes.

Os Bombeiros Voluntários da Trofa estiveram no local a prestar assistência às vítimas não tendo sido necessário transportá-las ao hospital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.