Quase metade das escolas com problemas na videovigilância

Arrancou em janeiro deste ano um novo projeto de gestão de câmaras de videovigilância e sensores nas escolas

São 1150 escolas de norte a sul de Portugal, outras tantas centrais de monitorização, 11 500 câmaras e mais de 56 mil sensores que integram, desde o início do ano, um dos maiores sistemas de videovigilância escolar da Europa. Este projeto, ganho por três empresas nacionais, conseguiu recuperar a baixo custo grande parte do anterior equipamento, instalado em 2008, que se tinha tornado obsoleto por falta de manutenção e esteve para ser totalmente desligado no início de 2016. Tinha custado quase 25 milhões de euros. Neste concurso, o governo gastou 1,5 milhões, mas faltou o contrato para as reparações e ainda há um número elevado de equipamentos com problemas.

Em apenas dois meses de trabalho, os gestores do projeto no terreno confrontam-se com "deficiências" no equipamento em cerca de 40% dos estabelecimentos de ensino (mais de 400), nos quais algumas câmaras ou sensores estão avariados, além de 35 escolas (3%) onde o sistema está pura e simplesmente desligado. É de novo a falta de manutenção a ameaçar a segurança das escolas. A situação impede que a monitorização feita na central de videovigilância conte com todo o material que devia estar operacional, limitando à polícia a capacidade de identificar suspeitos de crimes ou de incidentes que ocorram naqueles espaços.

O Ministério da Educação "sabe destas limitações" e, segundo garantiu ao DN fonte oficial do gabinete de Tiago Brandão Rodrigues, "está planeado o lançamento de um concurso tendo em vista a manutenção dos equipamentos nos casos mais urgentes". Questionado sobre o número de escolas em concreto que poderão vir a ser incluídas nesta prioridade, o ministério não respondeu.

Segundo indicaram ao DN fontes que acompanham o processo, o governo "já foi alertado várias vezes para o problema, mas, supostamente por falta de fundos, tem vindo a adiar o concurso para o projeto de manutenção dos equipamentos de suporte do sistema, que evitaria a degradação de um avultado investimento público, um sistema estratégico para garantir a segurança das escolas e alunos". O orçamento estimado para esta manutenção é de cerca de dois milhões de euros, durante dois anos. Filinto Lima, da Associação Nacional de Agrupamentos e Escolas Públicas, lamenta que não se faça este investimento. "As escolas vão reparando o que podem, para manter os sistemas a funcionar o melhor possível, mas os orçamentos são tão curtos que se está a tornar insustentável."

O ministério, ainda assim, não poupa elogios ao novo sistema. "Além do novo paradigma tecnológico (software Ágora e cloud MEO), houve reforço de recursos humanos" envolvidos na monitorização, de noite e de dia, há agora "serviço de piquetes" para os casos de intrusão, salienta fonte oficial. A gravação (apenas noturna) passou de local para remota, "o que reduziu os custos relacionados com manutenção de equipamentos e licenciamento de soluções".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.