Quarto dia da Operação "Ano Novo" com 106 acidentes, mas sem mortos

Até ao momento, contudo, desde a última sexta-feira, já morreram três pessoas

No primeiro dia do ano e quarto dia da Operação "Ano Novo", a Guarda Nacional Republicana (GNR) registou mais de 100 acidentes nas estradas portuguesas, que não causaram vítimas mortais, segundo dados provisórios da corporação.

Segundo dados divulgados esta terça-feira na página da Internet, a GNR contabilizou no primeiro dia do ano, 106 acidentes, sem vítimas, mas que causaram dois feridos graves e 51 ligeiros.

Entre sexta-feira (início da operação) e segunda-feira, a GNR contabilizou 639 acidentes que causaram três mortos, sete feridos graves e 256 feridos ligeiros.

Na segunda-feira, o major Paulo Gomes, do Comando Geral da GNR, disse à Lusa que nos três primeiros dias da operação houve mais acidentes e mais feridos leves, mas menos mortos e menos feridos graves do que no mesmo período do ano anterior.

A GNR intensifica, desde sexta-feira e até esta terça-feira, o patrulhamento rodoviário nas vias de maior tráfego no âmbito da operação "Ano Novo".

De acordo com a GNR, o reforço do patrulhamento nas estradas tem como objetivo "prevenir a sinistralidade rodoviária, garantir a fluidez do tráfego e apoiar todos os utentes das vias, no sentido de lhes proporcionar uma deslocação em segurança".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".