Quanto dar de semanada ao filho? A média é 20 euros

A semanada não deve depender da execução de tarefas nem dos resultados escolares. E deve ser paga sempre nos dias acordados.

Joana começou a receber semanada quando passou para o segundo ciclo. Já nessa altura fazia as refeições em casa da avó e levava os lanches para a escola, pelo que os cinco euros semanais eram "apenas para que tivesse algum dinheiro com ela". Quando entrou no terceiro ciclo, começou a receber dez euros por semana. "Servem para almoçar ou lanchar uma vez por semana com as amigas, para comprar alguma coisa de que precise na papelaria da escola ou no bar e, não raras vezes, para carregar o telemóvel", conta ao DN a mãe, Carla Mendes. Desde os 4 anos que Joana, agora com 14, vive só com a mãe e é "parte integrante do planeamento orçamental." Com o que poupa da semanada compra os presentes de aniversário para a família e amigos.

O valor determinado por Carla para a semanada da filha é aquele que a maioria dos pais disponibiliza. De acordo com um estudo do Observador Cetelem, o valor médio da semanada dos estudantes portugueses subiu para os 20 euros (mais três euros do que em 2014), mas a maioria dos pais (32%) não dá mais do que dez euros por semana aos filhos. É a primeira vez que o valor médio da semanada sobe em três anos, estando agora mais próximo do que era registado em 2012 (23 euros). Apesar de estar atualmente nos 20, a maioria dos 600 adultos inquiridos afirmou não dar mais do que dez euros de semanada, 23% disseram que dava entre 11 e 20 euros e 14% chegam aos 30 euros por semana. Menos são aqueles que dão entre 31 e 40 euros (4%), de 41 a 50 euros (2%) e mais de 50 euros (3%).

Quanto aos inquiridos que ainda são estudantes, a média é de 34 euros para gastar por semana, mais oito do que em 2014. Segundo Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem, o aumento "pode ser entendido como um sinal de retoma. Vários indicadores mostram que a economia está a recuperar e que os consumidores portugueses estão mais confiantes".

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.