PSP fiscaliza segurança de animais de companhia e cães perigosos

A operação recebeu o nome de Odeta e é uma ação preventiva

A PSP inicia esta segunda-feira, até sábado (dia 4 de fevereiro), uma operação focada na segurança dos animais de companhia, nomeadamente cães perigosos e potencialmente perigosos, nos principais centros urbanos e nas regiões autónomas.

Segundo a PSP, que anunciou a operação na sua página de Facebook, será uma ação preventiva "com enfoque na sensibilização, mas que não deixará de incidir na fiscalização das normas legais em vigor, nomeadamente a utilização de trela/peitoral ou açaimo na via pública, o registo dos animais de companhia e a vacinação obrigatória".

Os agentes vão ainda verificar, no que respeita a cães perigosos e potencialmente perigosos, se os seus donos têm formação específica credenciada.

Segundo a atual legislação, o treino de cães perigosos ou potencialmente perigosos tem que ser obrigatoriamente ministrado por treinadores detentores de certificados de qualificação emitidos pela PSP ou GNR.

Esta operação recebeu a designação "Odeta" em homenagem à cadela, de raça pastor alemão, que esteve ao serviço do Grupo Operacional Cinotécnico da PSP desde 2007 até 1 de outubro de 2015, dia em que morreu.

De 29 de janeiro a 4 de fevereiro, a PSP desenvolve nos principais centros urbanos e nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira, a "Operação Odeta", direcionada à segurança dos animais de companhia e, de entre estes, cães perigosos e potencialmente perigosos.

Incidirá na prevenção, sensibilização e fiscalização das normas legais em vigor (trela/peitoral ou açaimo na via pública, registo dos animais de companhia, vacinação obrigatória e verificação, no que respeita a cães perigosos e potencialmente perigosos, da formação específica dos detentores e se foi ministrada por treinadores credenciados).

A PSP é entidade formadora nestas matérias e estão abertas as inscrições para a 3.º sessão de Certificação de Treinadores de CPPP, a realizar entre 5 e 9 de março. Mais info em www.psp.pt

A presente operação recebeu a designação "Odeta" em homenagem à cadela, de raça pastor alemão, que esteve ao serviço do Grupo Operacional Cinotécnico da PSP desde 2007 até 1 de outubro de 2015, dia em que morreu. Ao longo desses 8 anos, a Odeta participou em várias operações em Portugal e no estrangeiro, contribuindo de forma eficaz para a segurança pública.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.