PSP recorre a bastões e gás pimenta para travar manifestantes

Profissionais de empresas de diversão protestavam frente ao Ministério das Finanças

Os profissionais de empresas de diversão tentaram forçar hoje de manhã a entrada no edifício do Ministério das Finanças para "assinar o livro de reclamações", tendo a PSP usado bastões e gás pimenta para os travar.

Os manifestantes estiveram desde as 08:00 a protestar em frente ao Ministério das Finanças e a exigirem ser recebidos pelo secretário de Estado das Finanças para falar sobre o setor.

Como não foram recebidos, tentaram entrar no edifício para "assinar o livro de reclamações, segundo disse à agência Lusa o presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED).

"O oficial de serviço da polícia presente informou os manifestantes de que o Ministério das Finanças não tem livro de reclamações e, por isso, decidimos entrar à força por uma porta de garagem da Avenida Afonso D. Henriques, no Terreiro do Paço", contou Luís Paulo Fernandes.

De acordo com Luís Paulo Fernandes, a polícia barrou a entrada dos manifestantes usando bastões e gás pimenta.

Por causa do gás pimenta, vários manifestantes tiveram de ser assistidos pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Os manifestantes encontravam-se cerca das 11:00 sentados no chão e o cordão policial continuava à porta do edifício. Cerca das 12:00, começaram a deslocar-se para o Ministério da Economia, com a promessa de regressarem às Finanças na quarta-feira.

A Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED) iniciou hoje três dias de protesto pela "sustentabilidade da atividade".

Desde 2013 que estes empresários lutam pela aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento e publicada em Diário da República.

O documento "recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão".

As manifestações começam hoje e prolongam-se por quarta e quinta-feira frente aos ministérios das Finanças, da Economia e da Cultura, ao Palácio de Belém, à Presidência do Conselho

Os membros da APED pretendem, ainda, realizar desfiles nestes dias nas avenidas Infante D. Henrique e de Brasília, Belém, avenidas Infante Santo e Álvares Cabral, Rotunda Marques de Pombal e Segunda Circular.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.