PSP detém motorista de táxi por suspeita de crime de especulação

Segundo a PSP, o taxista não estava a respeitar a tabela de preços a praticar, "cobrando assim um valor superior ao legalmente estabelecido".

A Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve na sexta-feira, em Lisboa, um motorista de táxi, suspeito da prática do crime de especulação, ao transportar um passageiro numa tarifa superior à devida.

Segundo nota da PSP, a detenção foi feita por volta das 12:50, no Largo das Fontainhas, em Lisboa, quando o motorista de táxi transportava uma pessoa desde o Hospital da Luz, em Benfica, "circulando com o taxímetro em tarifa 3, que apenas pode ser aplicada onde não seja autorizada a tarifa urbana - tarifa 1".

De acordo com a PSP, a tarifa 1 deveria ter sido a aplicada, adiantando que o taxista não estava a respeitar a tabela de preços a praticar, "cobrando assim um valor superior ao legalmente estabelecido".

"A viatura utilizada para a prática deste crime foi apreendida e o detido foi presente aos Juízos de Pequena Instancia Criminal de Lisboa para julgamento em processo sumário", adianta a PSP.

A PSP diz ainda que "tem realizado um esforço constante no combate a este tipo de crime" e aconselha todos os passageiros a "só pagarem a importância pelo serviço que marca o taxímetro e no ato do pagamento a exigirem sempre fatura".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.