PSP detém motorista de táxi por suspeita de crime de especulação

Segundo a PSP, o taxista não estava a respeitar a tabela de preços a praticar, "cobrando assim um valor superior ao legalmente estabelecido".

A Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve na sexta-feira, em Lisboa, um motorista de táxi, suspeito da prática do crime de especulação, ao transportar um passageiro numa tarifa superior à devida.

Segundo nota da PSP, a detenção foi feita por volta das 12:50, no Largo das Fontainhas, em Lisboa, quando o motorista de táxi transportava uma pessoa desde o Hospital da Luz, em Benfica, "circulando com o taxímetro em tarifa 3, que apenas pode ser aplicada onde não seja autorizada a tarifa urbana - tarifa 1".

De acordo com a PSP, a tarifa 1 deveria ter sido a aplicada, adiantando que o taxista não estava a respeitar a tabela de preços a praticar, "cobrando assim um valor superior ao legalmente estabelecido".

"A viatura utilizada para a prática deste crime foi apreendida e o detido foi presente aos Juízos de Pequena Instancia Criminal de Lisboa para julgamento em processo sumário", adianta a PSP.

A PSP diz ainda que "tem realizado um esforço constante no combate a este tipo de crime" e aconselha todos os passageiros a "só pagarem a importância pelo serviço que marca o taxímetro e no ato do pagamento a exigirem sempre fatura".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.