Reação: PCP cola Rui Rio à política de Passos e de "desgraça no pais"

O PCP não gostou do discurso de Rui Rio no encerramento do congresso do PSD, hoje em Lisboa, por representar a política do Governo anterior que "causou a desgraça no país" antes das eleições de 2015.

Em declarações aos jornalistas, Armindo Miranda, da Comissão Política do PCP, criticou o discurso da "velha" política" que "causou a desgraça no país", com "o aparelho de produção destruído, com 2,5 milhões de portugueses na pobreza, com a fome a rondar-lhe a casa todos os dias".

O discurso indica que o PSD "vai continuar com a velha política" que "trouxe [o país] até estas situação dramática", afirmou Armindo Miranda, depois de ouvir a intervenção do novo líder do PSD no encerramento 37.º Congresso social-democrata, que decorreu no Centro de Congressos de Lisboa.

O dirigente comunista disse ainda esperar que Rui Rio nunca venha a ser primeiro-ministro.

"Se alguma vez ele vier a ser primeiro-ministro, e esperemos que não, o roubo nos salários e nas pensões, o que tem sido conseguido nos últimos anos, vai regressar ao que estávamos há dois anos", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.