Assunção Cristas vai ouvir discurso de Rui Rio no congresso social-democrata

Congresso marcará também a despedida de Pedro Passos Coelho

O CDS-PP é o único partido a fazer-se representar pelo seu líder, Assunção Cristas, no encerramento, no domingo, do congresso nacional do PSD, para assistir ao discurso do novo líder, Rui Rio.

Além de Cristas, a delegação democrata-cristã inclui os vice-presidentes Nuno Melo e Adolfo Mesquita Nunes, e o secretário-geral, Pedro Morais Soares, e o deputado Álvaro Castelo Branco, que foi vice-presidente de Rui Rio na câmara do Porto, disse à Lusa fonte do CDS.

Este será o congresso da despedida de Pedro Passos Coelho, que foi primeiro-ministro de um governo de coligação com o CDS-PP, em que Assunção Cristas foi ministra.

Noutros congressos, quando estavam no Governo, era normal os líderes dos dois partidos assistirem à sessão de encerramento dos congressos dos seus parceiros.

O PS, partido do Governo, far-se-á representar pela secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes, Marcos Perestrelo, secretário de Estado e líder da Federação da Área Urbana de Lisboa do partido, e José Manuel Mesquita, do secretariado nacional socialista.

Ainda à esquerda, o PCP envia dois dirigentes, Armindo Miranda, da Comissão Política, e Ana Gusmão, do Comité Central.

O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) estará representado por dois dirigentes nacionais, Joana Silva e Rogério Cassona.

O BE, como habitualmente, não envia qualquer delegação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.