PSD vai propor eliminação do adicional ao IMI

O partido considera o novo imposto sobre o imobiliário um "ataque às poupanças, um ataque ao investimento, um ataque à classe média"

O PSD anunciou esta terça-feira que vai propor a eliminação do adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis, justificando que se trata de um ataque ao investimento quando o país já não vive em austeridade.

"Em sede de Orçamento do Estado vamos propor a sua eliminação, o país já está sobrecarregado de impostos", afirmou o deputado social-democrata Duarte Pacheco, em conferência de imprensa no parlamento

Referindo que o novo imposto sobre o imobiliário que as pessoas estão a receber em casa para pagar no mês de setembro "corresponde a um ataque às poupanças, um ataque ao investimento, um ataque à classe média", o deputado considerou que "se a austeridade tinha sido removida, se o período de emergência tinha sido ultrapassado, não há razão, a não ser uma razão ideológica" para a sua cobrança.

O adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) -- também conhecido por "imposto Mortágua", por ter sido anunciado pela deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua e não pelo Governo, deverá chegar em setembro a 211.690 contribuintes, revelou na semana passada o Diário de Notícias.

Esta será a primeira vez que o Ministério das Finanças irá aplicar este imposto, previsto no Orçamento do Estado para 2017. Os proprietários terão de pagar uma taxa de 0,7% sobre valores imobiliários que excedam os 600 mil euros e de 1% sobre imóveis que ultrapassem o valor de um milhão de euros.

Os sociais-democratas justificaram a tomada de posição no dia de hoje por ser este o momento em que os contribuintes estão a receber as notas de liquidação para pagarem o imposto.

O PSD, que votou contra a criação do adicional ao IMI, alertou ainda que a cobrança do imposto terá como consequência que "potenciais investidores, aqueles que estavam a regressar a Portugal a fazer com que Portugal voltasse a ter mercado imobiliário em dinamismo (...) possam afastar-se e possam fugir" para outros países.

Para Duarte Pacheco o novo imposto não faz sentido quando a emergência nacional foi ultrapassada e lamentou que "mais uma vez a classe média seja chamada a contribuir com dezenas, centenas de milhares de euros para os cofres, é o preço que o PS paga ao BE para se manter no poder".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.