Santana Lopes: "Vou continuar a combater politicamente"

Uma sala cheia, mas com poucas caras conhecidas, confortaram Pedro Santana Lopes, o candidato derrotado à liderança do PSD.

"Temos de continuar a sonhar. Vou continua a combater politicamente!, prometeu Santana Lopes quase no final do seu discurso, no qual assumiu a derrota. Foi cedo, antes das 22 horas que o staff informou que o candidato iria falar. Com os números até essa altura conhecidos os resultados davam uma vitória avantajadaa Rui Rio, cujos apoiantes, no Porto, já festejavam há largos minutos.

"O PPD-PSD escolheu. Espero que Portugal fique bem servido com a escolha. Os militantes do partido saberão com toda certeza qual é a melhor solução para a liderança do partdo", afirmou Santana Lopes, assumindo "todas as responsabilidades". "Não fiquem tristes", pediu, "disse à minha família que estava calmo, sereno e descontraído. E isto porqe tenho a consciência tranquila. Fizemos mais importante em política, que é lutar por aquilo em que acreditamos", afirmou com firmeza. Neste momento, primeiro um pequeno grupo, depois toda a sala se levantou em aplausos e a gritar "PSD, PSD".

Notada a falta de deputados que apoiaram Santana, como Fernando Negrão, Carlos Abreu Amorim ou Luís Montenegro. Entre os presentes, mais conhecidos, estavam Rui Machete, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e presidente da Comissão de Honra da canditatura, Antonio Almeida Henriques, António Barreto Xavier, Miguel Salema Garção e Eduarda Napoleão.

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes felicitou hoje por telefone o seu adversário Rui Rio pela vitória nas eleições diretas do partido. "Vou continuar lutar politicamente", assegurou.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.