Já há data para o primeiro encontro entre Rui Rio e Passos Coelho

De acordo com uma nota enviada à imprensa pela estrutura de Rui Rio, o encontro está marcado para as 15:00 de quinta-feira

O presidente eleito do PSD, Rui Rio, reúne-se na quinta-feira à tarde com o ainda líder dos sociais-democratas, Pedro Passos Coelho.

De acordo com uma nota enviada à imprensa pela estrutura de Rui Rio, o encontro está marcado para as 15:00, na sede nacional do PSD, em Lisboa.

Na segunda-feira, em entrevista à RTP, Rui Rio fez questão de lembrar que "Passos Coelho tem toda a liberdade e todo o direito para decidir o que ele quiser até ao dia 18 de fevereiro", data do último dia do congresso do partido e quando termina a sua liderança.

Questionado sobre a continuidade de Hugo Soares como líder da bancada parlamentar, o presidente eleito do PSD disse apenas: "Vamos falar. Com certeza que vamos falar. Com calma. Sem precipitações".

"Temos de fazer isto tudo em unidade, mas sem hipocrisia. E a unidade constrói-se de parte a parte. Constrói-se da parte de quem ganhou e constrói-se da parte de quem perdeu", avisou.

Rui Rio sublinhou ainda que a "direção da bancada parlamentar é da confiança do doutor Pedro Passos Coelho, que é líder até ao dia 18 de fevereiro".

"E só naquelas matérias que ele próprio entenda 'já agora convém falar com o eleito', eu compreendo isso. Agora eu sou nesse aspeto muito institucional. Eu respeito até ao último dia. Nem vou estar com grandes coisas até lá porque não sou e não quero confusão aqui", justificou.

Rui Rio venceu no sábado as eleições diretas no PSD e será o 18.º presidente do partido: segundo os resultados provisórios, Rio, com 22.611 votos e 54,37%, ganhou com uma vantagem de 3.617 votos sobre Santana, que recolheu 18.974 (45,63%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.