PSD responsabiliza Governo por "clima de degradação" no SNS

Miguel Santos diz que a "degradação no SNS" é "visível em todos os aspetos"

O vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD Miguel Santos afirmou esta terça-feira que existe um "clima de degradação" no Serviço Nacional de Saúde (SNS), o qual atribui à conflitualidade com o Governo.

"Temos vindo a assistir a um clima de degradação no SNS visível em todos os aspetos, desde o aspeto financeiro, da dívida ou assistencial e isso relaciona-se com o clima de conflitualidade patente no SNS em que o atual Governo se exime de dar respostas e de assumir responsabilidades", afirmou aos jornalistas o deputado social-democrata.

O parlamentar falava na sede da Distrital do PSD/Porto a propósito do Relatório Anual sobre o Acesso a Cuidados de Saúde nos Estabelecimentos do SNS e Entidades Convencionais.

O deputado frisou ainda que esta degradação do SNS está também relacionada com a falta de investimento que existe por parte do Governo socialista de António Costa, que é o mais baixo dos últimos anos, e é desta forma que tem procurado controlar as contas públicas, sublinhando que "quem paga a fatura" é a saúde dos portugueses.

A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) revelou hoje que o tempo de espera para cirurgia em doentes prioritários melhorou em 2016, um ano que teve a maior atividade cirúrgica de sempre.

Os dados da ACSS foram revelados depois de o Jornal de Notícias (JN) ter divulgado hoje que o tempo médio de espera para cirurgia aumentou no ano passado, fixando-se em 3,3 meses, "o pior desde 2011".

Em declarações à Lusa, Ricardo Mestre, da ACSS, disse que os tempos de resposta em 2016 se mantiveram "à volta dos três meses, como acontecia habitualmente", e sublinha que "os tempos de resposta para os mais prioritários melhoraram".

Para Miguel Santos, o aumento do tempo de espera para cirurgias é uma das consequências desta degradação do SNS, sublinhando existir uma desresponsabilização do ministro da Saúde que, ainda, não fez declarações sobre este assunto.

"O esforço que foi feito nos anos anteriores de valorização do SNS, de valorização dos profissionais e o investimento realizado está a ser deixado resvalar por este ministério", vincou.

O Governo tem de ter uma "política responsável", entendeu, frisando ser necessário uma maior mobilização humana e financeira para um melhor SNS.

Quanto à portaria aprovada este ano que reduz os tempos máximos de resposta garantidos para os casos de prioridade normal (de 270 para 180 dias) e que entra em vigor em janeiro de 2018, o deputado do PSD salientou que se, atualmente, não cumprem os 270 dias é "natural e possível" que a situação se agrave a partir do próximo anos.

Para dar resposta certamente "irão recorrer ao setor convencionado, privado e social, mas a dívida continuará a aumentar todos os meses como está a acontecer", realçou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.