PSD rejeita impostos europeus e quer super ministro das Finanças da UE

Líder do PSD não vai estar em Bruxelas durante a reunião de líderes europeus, mas tem propostas para reforma da zona euro.

Num momento em que o Conselho Europeu, que se reúne amanhã e sexta em Bruxelas, debate a reforma da União Económica e Monetária da União Europeia, o PSD defende a criação de um Fundo Monetário Europeu e de uma espécie de super ministro das Finanças da UE, a que chama "coordenador". Mas o partido de Rui Rio rejeita novos impostos europeus para alimentar o orçamento comunitário no pós-Brexit, se forem decididos unilateralmente pelo Parlamento Europeu.

A coordenadora do PSD para os Assuntos Europeus, Isabel Meirelles, admite ao DN que o documento saído do Conselho Estratégico Nacional (CEN) do partido sobre esta matéria teve alguma inspiração nas propostas feitas pelo presidente francês Emanuel Macron. "O presidente Macron é, sobretudo, uma fonte de ideias novas, que podem ajudar a estruturar consensos e a fazer evoluir a União Europeia", afirma.

Macron defendeu a criação de recursos próprios da União para reforçar o orçamento comunitário. Apontou designadamente para um imposto digital, sobre as grandes multinacionais da internet, como a Google, Amazon, Facebook, empresas que não são sediadas na Europa.

Sobre esta possibilidade de se avançar com a criação de impostos à escala da UE, Isabel Meirelles é taxativa: "Não há possibilidade de se criarem impostos à luz dos tratados". O PSD deixa a porta aberta, no entanto, à hipótese de impostos aprovados pelos Estados-membros nos respetivos Parlamentos, poderem vir a reverter para bolo do orçamento da União Europeia. O tal reforço dos recursos, que será complementar a uma maior transferência de meios dos orçamentos nacionais para o comunitário.

No documento sobre a reforma da zona euro do CEN são propostas mudanças em três áreas: funcionamento das instituições, estabilização financeira e relações do setor financeiro com o Estado.

Quanto ao funcionamento das instituições, o PSD propõe a criação de um Fundo Monetário Europeu (FME) com recursos próprios que sirva de instrumento de coordenação e supervisão das políticas orçamentais nacionais. Isabel Meirelles rejeita que este "coordenador" das finanças europeu seja um passo para um maior federalismo da Europa. "É um passo para maior coordenação e simplificação da governança da zona euro", sublinha.

Na apresentação do documento - que passou quase despercebida porque coincidiu com a polémica entre a direção do partido e a bancada parlamentar devido à aprovação do projeto do CDS sobre a eliminação do ISP (imposto sobre os combustíveis) - Rui Rio explicou que o objetivo deste fundo é avaliar os planos de médio prazo e os orçamentos dos países.

O PSD sugere ainda a criação, na área das finanças, uma estrutura de governação semelhante à da ação externa da União Europeia (UE), passando o comissário europeu responsável pela pasta das Finanças a ser também responsável pela presidência do Conselho na área das finanças, pela presidência do Eurogrupo e, eventualmente, pela presidência do FME. O PSD defende ainda a criação de um Sistema Europeu de Seguro de Depósitos.

Rui Rio tinha previsto fazer contactos paralelos ao Conselho Europeu, mas por motivos de agenda não estará em Bruxelas.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.