PSD rejeita apelar a Marcelo para enviar "barrigas de aluguer" para o Constitucional

Passos Coelho enfrentou opinião divergente na questão das "barrigas de aluguer", com conselheiro a apresentar proposta (foi chumbada) que seria incómoda para o ex-primeiro-ministro

O Conselho Nacional do PSD rejeitou esta noite uma proposta de deliberação que apelava a que o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa pedisse a fiscalização de constitucionalidade dos projetos aprovados pela Assembleia da República quanto à legalização da gestação de substituição, processo mais conhecido como "barrigas de aluguer".

Uma proposta de deliberação apresentada pelo conselheiro Paulo Ribeiro tentava ainda que o órgão máximo entre congressos apelasse também a Marcelo para ouvir os partidos e a sociedade civil sobre o assunto.

A proposta foi rejeitada pelo Conselho Nacional, por larga maioria dos conselheiros, após Passos explicar porque votou a favor do projeto. O desfecho foi o esperado, pois se os conselheiros do PSD aprovassem a proposta deixariam claro, na mesma deliberação, que concordavam com a indicação da bancada e não com os deputados, como Passos Coelho, que votaram favoravelmente à legalização das "barrigas de aluguer".

O articulado do documento, ao qual o DN teve acesso, pretendia que o Conselho Nacional apelasse "a sua excelência o Presidente da República portuguesa para que proceda à auscultação dos partidos políticos e da sociedade civil e que pondere a possibilidade de suscitar a fiscalização da constitucionalidade, de ambos os projetos de lei, junto do Tribunal Constitucional".

O outro artigo chumbado estabelecia ainda que o Conselho Nacional entendesse "concordar (...) com a indicação de voto dada pela direção do grupo parlamentar do PSD, de rejeição dos referido projeto de lei no passado dia 13 de maio". As propostas foram, no entanto, rejeitadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.