PSD quer ouvir ministro da Saúde com urgência no parlamento

O grupo parlamentar do PSD quer explicações de Adalberto Campos Fernandes "sobre o estado de degradação em que, presentemente, se encontra o Serviço Nacional de Saúde"

O PSD requereu hoje a audição urgente do ministro da Saúde em comissão parlamentar para obter esclarecimentos sobre a "acentuada deterioração" das condições de funcionamento do Serviço Nacional de Saúde.

O requerimento do PSD assinado pelos deputados Adão Silva, Ricardo Baptista Leite e Luís Vales é dirigido ao presidente da Comissão Parlamentar de Saúde e deu entrada esta sexta-feira no parlamento, dia em que foi denunciada uma falha no serviço de radiologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa.

O grupo parlamentar do PSD quer explicações de Adalberto Campos Fernandes "sobre o estado de degradação em que, presentemente, se encontra o Serviço Nacional de Saúde", refere o documento.

Os sociais-democratas alertam para a "multiplicação dos casos de encerramentos de serviços hospitalares por falta de pessoal", para a falta de solução dos problemas da ala pediátrica do Hospital de São João, no Porto, e para o encerramento de serviços na oncologia do Hospital Santa Maria, em Lisboa.

Os deputados do PSD consideram "perturbante" a realidade que se vive no Serviço Nacional de Saúde e, por isso, querem "obter explicações" do Governo

O pedido de suspensão de funções, apresentado na segunda-feira, de cerca de 30 diretores de serviços, unidades e coordenadores de valências do Centro Hospitalar Tondela-Viseu (CHTV), em protesto contra a "degradação progressiva de vários serviços" no estabelecimento, é também uma das razões que motivou os deputados do PSD a requerer a audição urgente do ministro da Saúde.

Os sociais-democratas citam, ainda, no documento, a Assembleia de Representantes da Ordem dos Médicos, que considerou que a "pressão excessiva e a interferência, por parte da tutela, nas boas práticas médicas e, consequentemente, na qualidade da medicina (...) ultrapassou o limite do aceitável".

Os deputados consideram "perturbante" a realidade que se vive no Serviço Nacional de Saúde e, por isso, querem "obter explicações" do Governo.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."