PSD preocupado com falta de apoio aos sem abrigo

Representantes do PSD na Assembleia Municipal criticam falta de ação do executivo camarário perante nova vaga de frio. E pede a abertura imediata do Pavilhão Vistoso e de algumas estações do Metropolitano.

PSD manifestou preocupação pelo facto de a Câmara Municipal de Lisboa não ter tomado qualquer ação perante a iminente vaga de frio previsto para os próximos dias 6, 7 e 8, com as temperaturas mínimas a caírem para os quatro graus. E nota que os mais expostos são os sem abrigo.

"Os sem abrigo, nomeadamente pelo facto de se encontrarem expostos aos elementos, são quem mais sofre com estas condições", refere um comunicado distribuído nesta sexta-feira.

O comunicado recorda que, "preocupado com esta situação, apresentou uma recomendação na Assembleia Municipal no passado dia 16 de janeiro, que foi aprovada por unanimidade,mas que não teve ainda qualquer acolhimento por parte da CML. De acordo com o Líder de Bancada do PSD da Assembleia Municipal de Lisboa, Luís Newton, "Esta recomendação pretende atualizar os mecanismos de avaliação das condições de ativação do Plano de Contingência para a População Sem Abrigo à luz do conhecimento moderno da sensação térmica, mais adequado para avaliar o real impacto das condições atmosféricas sobre esta população em risco.

"Recordamos que, ao contrário da utilização do critério da temperatura mínima absoluta, a sensação térmica envolve a conjugação dos fatores atmosféricos determinantes que, para além da temperatura, integra a velocidade do vento. Estes dados conjugados são muito mais eficazes para aferir do real impacto do clima sobre o corpo humano, fundamental para compreender as enormes dificuldades que os sem abrigo poderão
sentir", lê-se ainda no texto.

Perante este quadro, o PSD exige medidas imediatas, como a abertura do Pavilhão Vistoso e o diálogo com o Metropolitano de Lisboa para serem abertas algumas estações no período em causa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).