PSD pondera homenagem a Cavaco Silva no congresso

Moldes da homenagem ainda estão a ser pensados pela direção do partido. Várias figuras sociais-democratas consideram que se trata de uma homenagem justa ao ex-presidente

Numa altura em que está a ser preparado o XXXVI Congresso do PSD, uma das propostas que a direção está a ponderar é fazer um louvor ao ex-presidente da República Cavaco Silva, naquela que é a reunião magna do partido.

Os moldes da homenagem a Cavaco Silva ainda não estão fechados. As hipóteses em cima da mesa, explicou fonte social-democrata ao DN, pode "passar por um vídeo, com fotografias de Cavaco Silva no congresso da Figueira da Foz, como primeiro-ministro e presidente, ou alguém da direção, que até pode ser o próprio líder, fazer uma referência elogiosa no discurso para o congresso aplaudir de pé o professor Cavaco". Outra ideia seria convidar Cavaco Silva a ir ao congresso, mas o anterior presidente ainda está numa fase de recato.

Há quem resista a esta homenagem no partido, devido à baixa popularidade com que Cavaco Silva abandonou o cargo, mas outra fonte dos órgãos nacionais do PSD explica que "esta seria uma boa forma de ter picos de interesse de um congresso que até agora está muito morto". Porém, a decisão final será do presidente do PSD, Passos Coelho.

Pedro Pinto, vice-presidente do partido, diz desconhecer o que está a ser preparado para o congresso, mas admite que a homenagem poderá acontecer. O deputado social-democrata acredita que o congresso, com ou sem homenagem formal, "terá sempre uma palavra de congratulação por aquilo que foi o trabalho dos últimos anos do presidente da República"

José Eduardo Martins, antigo secretário de Estado e crítico da direção de Passos Coelho, diz achar "muito bem" que se destaque o papel de Cavaco Silva na reunião magna de Espinho. "Foi presidente do PSD, primeiro-ministro dez anos e presidente da República outros dez e merece a homenagem." Mas numa alusão indireta às relações tensas entre Passos Coelho e o novo Chefe do Estado, também antigo líder do partido, Marcelo Rebelo de Sousa, garante: "Tenho a certeza de que quem liderar o PSD daqui a dez anos fará a mesma coisa pelo professor Marcelo Rebelo de Sousa."

Em entrevista ao DN, o vice-presidente da bancada parlamentar do PSD, Hugo Soares, refere que ainda não ouviu nenhum "rumor" sobre uma homenagem ao ex-presidente, mas acrescentou que "o país, deve estar muito agradecido ao professor Cavaco Silva".

Hugo Soares lembra que "no reino da hipocrisia e da demagogia se disse coisas inenarráveis sobre aquilo que foi a atuação do professor Cavaco Silva como presidente da República, e Cavaco Silva foi um presidente de excelência que cumpriu o seu mandato no respeito total pela separação de poderes, mas sobretudo pelo cumprimento escrupuloso daquilo que são as funções de um presidente da República, magistério de influência que muitas vezes foi desconhecido, mas foi absolutamente essencial para que Portugal pudesse ter num momento difícil a estabilidade política necessária".

Joaquim Ferreira do Amaral considera que se trata de uma "homenagem justíssima" se se vier a concretizar. O antigo ministro de Cavaco Silva afirma que o ex-presidente da República "foi uma pessoa de enorme importância para o PSD e faz todo o sentido homenageá-lo no congresso. Era até complicado deixar passar esse momento. É muito oportuno porque ele acaba um ciclo de enorme importância e é uma homenagem que tem valor por si a uma pessoa que diz muito ao PSD e que desempenhou cargos de grande relevo - e quanto a mim saiu-se muito bem neles".

Eduardo Catroga, também antigo ministro de Cavaco, frisa que não faz parte do aparelho do partido e que, por esse motivo, não sabe se é o momento adequado para celebrar os anos de governação e presidência do ex-chefe do Estado. Mas na sua opinião, foi o militante do PSD que mais marcou a vida política do país.

"Durante dez anos foi o melhor primeiro-ministro da história democrática da vida política independente do país e durante 10 anos o melhor PR da história democrática da vida política independente do país (independentemente das opiniões que se tenha sobre o segundo mandato após a bancarrota a que nos levou o governo de José Sócrates e de que Cavaco sofreu as vicissitudes de uma população indignadíssima). Mas desempenhou sempre bem as suas funções e é de longe o português que mais contribuiu para a vida do país, por isso todas as homenagens que lhe façam - e acredito que virão a fazer - são poucas. E o PSD deve-lhe uma", afirma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.