PSD estranha operação de créditos fiscais na Associação Mutualista Montepio

Sociais-Democratas querem explicações do primeiro-ministro sobre negócio da entrada de capital no banco

O PSD manifestou esta terça-feira dúvidas sobre a operação de créditos fiscais da Associação Mutualista Montepio autorizada pelo Ministério das Finanças e quer explicações urgentes do primeiro-ministro sobre "o negócio iminente" para a entrada de capital no banco.

Estas posições sobre a eventual entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital do banco Caixa Económica Montepio Geral, bem como sobre a recente operação de créditos fiscais da Associação Mutualista Montepio foram transmitidas, em conferência de imprensa, pelo vice-presidente da bancada do PSD António Leitão Amaro.

A Associação Mutualista Montepio anunciou na segunda-feira que registou lucros de 587,5 milhões de euros em 2017, bem acima dos 7,4 milhões de euros em 2016, e passou a capitais próprios positivos. As contas da Associação Mutualista Montepio beneficiaram do impacto de ativos por impostos diferidos superiores a 800 milhões de euros.

"Todos fomos apanhados de surpresa relativamente à existência de uma aprovação por parte do ministro das Finanças [Mário Centeno] de uma operação de engenharia contabilística que gera créditos fiscais no valor de 800 milhões de euros. Um partido responsável, como o PSD, antes de formular um juízo cabal e global sobre uma certa operação procura esclarecimentos sobre o mesmo", referiu o dirigente da bancada social-democrata.

Numa primeira análise à operação de créditos fiscais, António Leitão Amaro definiu-a como "estranha", já que a Associação Mutualista "detinha um estatuto que lhe permitia isenções fiscais - estatuto que, aparentemente, para resolver um problema contabilístico pontual, vai perdê-lo para o presente e para o futuro".

Ou seja, de acordo com António Leitão Amaro, tirando o caso do IRC, a instituição "vai provavelmente passar a pagar outros impostos, o que implica despesa adicional sobre a Associação Mutualista que antes não existia".

"Não deixa de ser intrigante para que num certo momento a instituição faça uma composição, ou recomposição, relativamente a um conjunto de exercícios recentes, se esteja por outro lado a onerar em outros impostos. A natureza deste processo, a questão adicional relativa à proteção e tranquilidade patrimonial dos aforradores são questões que merecem a nossa preocupação", observou.

Na conferência de imprensa, António Leito Amaro também insistiu na exigência de explicações urgentes do primeiro-ministro, António Costa, relativamente "ao iminente" negócio para a entrada no capital do banco Caixa Económica Montepio Geral - situação que considerou "inquietante", porque "a avaliação requerida ainda não é conhecida".

"As notícias de hoje tornam indispensável que o primeiro-ministro responda às perguntas que o PSD lhe submete também por escrito. Apesar de se falar agora num valor global menor [de compra], nesta nova versão, porém, o preço a pagar [por cada unidade de participação] será ainda mais elevado", justificou o "vice" da bancada do PSD.

De acordo com o ex-secretário de Estado social-democrata, em paralelo, "continuam as notícias de que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e o banco prosseguem o trabalho para a conclusão do negócio".

"Para mais, com esta nova versão, a concretizar-se, levaria a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa a pagar ainda mais caro, cerca de 25% a mais por cada unidade de participação. O primeiro-ministro está ou não a insistir em impor a entrada na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Montepio? Temos de saber qual o estado deste processo e como é que o Governo responde", insistiu António Leitão Amaro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.