PSD e CDS querem acesso aos SMS de Centeno. Esquerda rejeita

Esquerda já rejeitou ultimato: comunicações entre Centeno e ex-presidente da CGD são pessoais

Os líderes parlamentares do PSD e CDS-PP desafiaram hoje o PS, BE e PCP a inverterem a decisão de terça-feira de não analisar as comunicações trocadas entre o ministro das Finanças e o ex-presidente do banco público António Domingues. A esquerda já rejeitou o pedido, que a direita queria ver cumprido até às 18:00.

No final da conferência de lideres, os dois líderes parlamentares Luís Montenegro (PSD) e Nuno Magalhães (CDS-PP) apelaram a que a decisão fosse alterada até às 18:00 de hoje, quando se reúne novamente a comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Se tal não acontecer, ambos os partidos afirmam que retirarão "todas as consequências regimentais, jurídicas e políticas" sem especificar quais.

O motivo invocado pelos partidos que chumbaram a não inclusão dos conteúdos das comunicações terá sido o de não se enquadrar no objeto da comissão parlamentar de inquérito, que abarca a gestão do banco público entre 2000 e 2015.

PS, BE e PCP rejeitam ultimato

O PS, PCP e BE rejeitaram entretanto o desafio de PSD e CDS-PP. Em declarações aos jornalistas, também no final da conferência de líderes, os líderes parlamentares do PS, Carlos César, do BE, Pedro Filipe Soares, e do PCP, João Oliveira, acusaram PSD e CDS-PP de quererem utilizar a comissão de inquérito à Caixa para criar um facto político, violando a Constituição e a lei, que não permite o acesso a comunicações pessoais.

O líder parlamentar do PS, Carlos César, acusou PSD e CDS de quererem "desacreditar as instituições e a Caixa Geral de Depósitos". "O nosso entendimento é que esta comissão de inquérito tem as suas finalidades, devem ser respeitadas e por isso não é possível satisfazer esse pedido", disse, acrescentando ainda que o pedido dos dois partidos - o acesso às comunicações - "não tem conformidade com aquilo que prevê a Constituição".

Carlos César salientou que para o PS "este assunto não releva", dizendo que "o que interessa é defender o processo de recapitalização da Caixa e a maior instituição bancária do país".

"Na Caixa Geral de Depósitos corremos uma maratona em que houve um vencedor, o ministro das Finanças, e agora PSD e CDS querem perguntar se, ao longo do percurso, ele falou com alguém. Isso não nos interessa", afirmou.

Na mesma linha, o líder parlamentar do Bloco de Esquerda salientou que "o que está em causa não é a democracia", acusando PSD e CDS de fazerem "um teatro político".

"Uma comissão de inquérito não pode atropelar a lei nem a Constituição e é exatamente isso que PSD e CDS estão a fazer para criar um caso político e em nome da bisbilhotice", acusou Pedro Filipe Soares.

Sobre o conteúdo das acusações, Pedro Filipe Soares salientou que o BE sempre lutou para que os administradores da Caixa não tivessem qualquer isenção das regras da transparência previstas na lei, tendo votado nesse sentido no parlamento.

Também o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, defendeu que o parlamento "não pode permitir que PSD e CDS usem a assembleia e comissão e inquérito para violar a Constituição e a lei".

"Aquilo que PSD e CDS estão a propor é que a comissão de inquérito aja de mote próprio ingerindo-se nas comunicações dos cidadãos como se fosse uma qualquer autoridade judicial", criticou, dizendo que, se tal fosse admitido, no futuro PSD e CDS até poderiam propor a prisão preventiva de alguém no âmbito de uma comissão de inquérito.

Sobre a matéria de fundo, o líder parlamentar do PCP disse, contudo, que o ministro das Finanças deve "prestar todos os esclarecimentos" seja no âmbito da comissão de inquérito, seja fora dela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).