PSD e CDS dizem que vem aí um orçamento de austeridade

Direita esteve reunida com o governo e diz que vem aí um aumento de impostos

PSD e CDS saíram hoje da reunião com o governo, para apresentação das linhas gerais do Orçamento do Estado para o próximo ano, a defender que vem aí mais austeridade. Primeiro os centristas, depois os sociais-democratas, estiveram reunidos com o ministro das Finanças, Mário Centeno, e o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos. Os dois partidos saíram do encontro a falar numa revisão das estimativas económicas para este ano e de um aumento de impostos em 2017.

"Vem aí mais do mesmo", mas em versão "agravada", afirmou no final do encontro Luís Montenegro, líder parlamentar dos sociais-democratas, considerando que no próximo ano o governo "dará pouco ou nada com uma mão" e tirará com a outra, através de um "aumento de impostos". Para o dirigente social-democrata as contas públicas para 2017 seguem a "linha errada de 2016" - "O governo assume que as coisas não estão bem mas propõe-se fazer o mesmo".

À semelhança do que já tinha afirmado antes o líder parlamentar do CDS, Montenegro diz ter saído da reunião sem respostas concretas quanto a alterações fiscais, mas sem dúvidas de que este vai ser um orçamento de "aumento de impostos".

Nuno Magalhães, líder da bancada centrista, disse também que o governo foi "muito vago", mas confirmou a revisão do cenário macroeconómico para este ano e uma "recomposição dos impostos indiretos" no próximo orçamento, sem especificar quais e em que termos. O deputado apontou o que chama de "concurso de ideias" para aumentar os impostos indiretos entre os partidos que suportam o governo e o "leilão de promessas" quanto ao aumento das pensões para chegar a uma conclusão: o orçamento do próximo ano será de "austeridade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.