PSD diz que foi inegável que o Estado falhou e subscreve apelo para a "reinvenção"

Reação ao discurso de ano novo do Presidente da República

O secretário-geral do PSD, Matos Rosa, subscreveu hoje o apelo do Presidente da República para a "reinvenção do país" em 2018, considerando que "foi inegável que o Estado falhou às pessoas".

Numa declaração na sede do PSD, em Lisboa, José Matos Rosa considerou que o ano de 2017 "trouxe contradições" e que as "tragédias foram demasiado pesadas para que o balanço do ano seja positivo".

Para o PSD, "foi inegável que o Estado falhou às pessoas", o que exige "refletir sobre como o Estado, o Governo e a classe política podiam ter respondido melhor às necessidades do país".

Na sua tradicional mensagem de Ano Novo, o Presidente da República defendeu hoje que 2018 terá de ser o "ano da reinvenção" da confiança, advertindo que os portugueses precisam de ter a certeza de que, "nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham".

"Reinvenção da confiança dos portugueses na sua segurança, que é mais do que estabilidade governativa, finanças sãs, crescente emprego, rendimentos. É ter a certeza de que, nos momentos críticos, as missões essenciais do Estado não falham nem se isentam de responsabilidades", exigiu Marcelo Rebelo de Sousa.

José Matos Rosa considerou que "Portugal podia e devia estar melhor", frisando que o ano começa com a certeza de que "a austeridade escondida e disfarçada tem afetado áreas essenciais" como a saúde e a educação.

Na avaliação do PSD, o governo PS "não sabe o que quer para Portugal" e não está disponível para a "reinvenção" que o Presidente da República pediu, considerando que prova disso foram as opções inscritas no Orçamento do Estado para 2018.

"Esperamos que, em 2018, o governo socialista arrepie caminho quanto ao seu eleitoralismo. Os portugueses merecem mais do que a gestão para o imediato", defendeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.