Eleições viciadas? Conselho de jurisdição desvaloriza acusação de Jardim

O Conselho de Jurisdição Nacional do PSD desvalorizou hoje as alegações do ex-líder regional da Madeira Alberto João Jardim de que as eleições diretas no PSD estão viciadas, afirmando que não foi recebida qualquer queixa.

O Conselho de Jurisdição Nacional do PSD desvalorizou hoje as alegações do ex-líder regional da Madeira Alberto João Jardim de que as eleições diretas no PSD estão viciadas, afirmando que não foi recebida qualquer queixa.

Em declarações à Lusa, e questionado sobre se as eleições estão viciadas, como disse João Jardim, Jorge Pracana, do conselho de jurisdição, começou por sugerir que a pergunta fosse feita ao ex-líder madeirense.

Depois, afirmou que todo o processo eleitoral decorreu com normalidade.

Até agora não temos qualquer conhecimento nem queixa de qualquer secção. Tudo correu com a máxima das normalidades

Em declarações aos jornalistas, depois de votar no Funchal, Alberto João Jardim, citado pela TSF, afirmou que "isto [eleições diretas] foi viciado".

"A máquina do partido, tanto lá como cá, empenhou-se na reeleição do Santana Lopes porque o Santana Lopes representa realmente aquilo que está estabelecido, a garantia dos lugares que estão distribuídos", disse.

Só não ganhará, disse, caso "a máquina esteja tão desacreditada que nem sequer os da máquina votam nos da máquina".

Jorge Pracana afirmou que a votação correu normalmente, não há números de participação, mas deu o exemplo de Alpiarça em que a votação foi em massa, só faltando votar um militante que "não podia".

Mais de 70 mil militantes do PSD foram hoje chamados a escolher o próximo presidente social-democrata e sucessor de Pedro Passos Coelho nas eleições diretas disputadas entre Pedro Santana Lopes e Rui Rio.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.