Comissão Politica Distrital de Lisboa apoia candidatura de Santana

A Comissão Política Distrital (CPD) do PSD de Lisboa anunciou hoje o apoio à candidatura de Pedro Santana Lopes à liderança do partido, depois de o líder Pedro Pinto o ter feito na quarta-feira a título pessoal.

Na quarta-feira, o líder da distrital de Lisboa do PSD, Pedro Pinto, tinha afirmado o seu apoio, a título pessoal, à candidatura de Pedro Santana Lopes à liderança do partido.

Hoje, em comunicado, a Comissão Política de Lisboa anuncia que, perante as candidaturas já anunciadas, decidiu apoiar Pedro Santana Lopes e pediu a participação dos militantes no Congresso Nacional do PSD, em fevereiro.

A CPD de Lisboa saudou também a "forma digna e responsável" como Pedro Passos Coelho se apresentou aos país e aos militantes na sequência dos resultados do partido nas eleições autárquicas de 01 de outubro.

Nas eleições autárquicas, o PSD perdeu oito presidências de câmaras municipais face a 2013, ano em que tinha registado o seu pior resultado, ficando agora com 98 (79 sozinhos e 19 em coligação).

Dois dias depois de um dos "piores resultados de sempre" do partido em autárquicas, o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, anunciou que não se iria recandidatar ao cargo, com o argumento de não querer passar a ideia de estar "agarrado ao poder".

"Face ao atual momento que se vive no PSD pela anunciada não recandidatura do presidente do partido, Pedro Passos Coelho, a comissão saúda a forma digna e responsável como este se apresentou perante o país e os militantes, registando com orgulho o seu desempenho enquanto líder do partido e primeiro-ministro".

Na nota, a CPD saudou também os candidatos às eleições autárquicas, principalmente os eleitos nas listas apoiadas pelo PSD.

"Os resultados no distrito registam de forma relevante o crescimento eleitoral significativo nos concelhos onde o PSD detinha anteriormente a maioria, nomeadamente Cascais e Mafra. Nos restantes concelhos, liderados por outros partidos, o PSD assume-se agora como principal força de oposição passando a segundo partido mais votado em todos eles", é referido.

De acordo com a CPD, no conjunto do distrito, o número de eleitos no PSD aumentou em relação ao mandato anterior, nomeadamente, onde os resultados para os órgãos municipais não refletiram o peso que o partido obteve no conjunto das freguesias.

Sobre a convocação do Congresso Nacional para fevereiro e a realização de eleições diretas para a escolha de um novo presidente da Comissão Política Nacional, a CPD diz estar " empenhada na participação ativa em todo o processo, quer em termos estratégicos quer estatutários".

A CPD defendeu também uma "acrescida participação de militantes do partido e uma maior abertura à sociedade e uma definição estratégica que prepare o partido para o desafio populista que o governo socialista, assente numa maioria de esquerda, o pode conduzir".

O Conselho Nacional do PSD aprovou na segunda-feira a realização de eleições diretas para escolher o presidente do partido em 13 de janeiro e o Congresso em 16, 17 e 18 de fevereiro.

Na 'corrida' estão, para já, o antigo presidente da Câmara do Porto Rui Rio e o ex-primeiro-ministro e autarca na capital Pedro Santana Lopes.

Na semana passada, o ex-líder parlamentar do PSD Luís Montenegro, o eurodeputado Paulo Rangel e o antigo líder da JSD Pedro Duarte excluíram-se desta disputa interna.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.