PSD aprova mais 49 candidatos a presidentes de Câmara

Ainda não foi revelado o cabeça de lista do PSD à Câmara de Lisboa

A Comissão Política Nacional do PSD aprovou hoje mais 49 candidatos autárquicos, um segundo conjunto de nomes que se juntam aos 46 aprovados e divulgados no final de janeiro.

"O Partido Social Democrata tem já cerca de um terço das candidaturas às eleições autárquicas homologadas. A Comissão Política Nacional reuniu esta terça-feira e homologou o segundo conjunto de nomes, num processo que ficará fechado até ao final de março", refere a edição de hoje da 'newsletter' diária do partido.

Neste segundo lote de candidatos às eleições autárquicas que se realizarão no outono deste ano, na qual ainda não consta o cabeça de lista a Lisboa, destaque para três capitais de distrito: em Coimbra o PSD terá como candidato a presidente da Câmara o médico Jaime Ramos (em coligação com o CDS-PP), em Castelo Branco Carlos Barata de Almeida e na Guarda recandidatará Álvaro Amaro.

A Vila Nova de Gaia (distrito do Porto) o PSD aprovou como número um à Câmara o antigo vereador José Joaquim Cancela Moura.

O PSD já aprovou 95 candidatos a câmaras municipais de um total de 308 municípios. Todos os nomes serão ainda ratificados em Conselho Nacional, órgão máximo entre Congressos, a realizar até ao final de março.

Por distritos, em Castelo Branco o PSD aprovou ainda o candidato a Oleiros, Fernando Marques Jorge.

Em Coimbra, foram aprovados, além da capital de distrito, os candidatos a presidentes das Câmaras de Cantanhede, Maria Helena Cruz Gomes de Oliveira, Condeixa-a-Nova, Nuno Manuel Mendes Claro, Figueira da Foz, Carlos Tenreiro, Penacova, António Simões da Cunha Santos (assinalado pelo PSD como independente), e Tábua, José Tavares Pereira (também independente).

Em Évora, o PSD aprovou os cabeças de lista autárquicos às autarquias do Redondo, David Fialho Galego, e Reguengos de Monsaraz, Elsa Góis.

No distrito de Faro, foram aprovados três candidatos: Francisco Caimoto Amaral para Castro Marim, José Inácio Eduardo para Lagoa, e Maria da Conceição Cipriano Cabrito a Vila Real de Santo António.

Na Guarda, além da capital de distrito, foram aprovados os candidatos às Câmaras de Aguiar da Beira, Fernando Costa Pires, de Almeida, António José Monteiro Machado, de Celorico da Beira, Carlos Ascensão (independente), de Figueira de Castelo Rodrigo, Carlos Condesso, e de Mêda, Aires Amaral (independente).

No distrito de Leiria, foram aprovados seis nomes: Paulo Inácio como candidato à Câmara Municipal de Alcobaça, José Gonçalves Vieira para o Bombarral, Ricardo Galo para a Marinha Grande, Humberto Marques para Óbidos, Luís Diogo Mateus para Pombal e José Vala para Porto de Mós.

Na área Oeste de Lisboa, já têm candidatos aprovados pela Comissão Política Nacional do PSD os concelhos da Lourinhã, Vanda Oliveira, Sobral de Monte Agraço, Joaquim Biancard Cruz, e Torres Vedras, Marco Claudino.

No distrito de Portalegre, o PSD indicou como candidato a presidente de Câmara de Arronches Fermelinda Carvalho, a Elvas Luís Manuel Fernandes, a Marvão Luís Vitorino e a Sousel Marta Carujo.

Para o distrito do Porto, foram aprovados seis candidatos além de Cancela Moura em Gaia: Miguel Dinis Correia para Baião, António Tiago para a Maia, José António Soares da Mota para Marco de Canaveses, Rui Ferreira para Paredes, Andreia da Silva Neto para Santo Tirso e Luís Miguel Ramalho para Valongo.

No distrito de Setúbal, o PSD aprovou os candidatos a Alcácer do Sal, Frederico d'Orey, a Grândola, Sónia dos Reis, e a Sesimbra Francisco Pereira Luís.

Finalmente, no distrito de Viseu foram aprovadas sete candidaturas: Bruno Maciel Rocha para a Câmara de Cinfães, Joaquim Messias para Mangualde, Isaura Pedro para Nelas, Paulo Antunes para Oliveira de Frades, Jaime Alves para Resende, Carlos Santiago para Sernancelhe e Manuel Custódio para Vila Nova de Paiva.

Em 31 de janeiro, o PSD tinha anunciado os primeiros 46 candidatos às eleições autárquicas deste ano, numa lista onde se destacavam Marco Almeida (independente), em Sintra, Carlos Carreiras, em Cascais, e Fernando Costa, em Leiria.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.