PSD aprova mais 49 candidatos a presidentes de Câmara

Ainda não foi revelado o cabeça de lista do PSD à Câmara de Lisboa

A Comissão Política Nacional do PSD aprovou hoje mais 49 candidatos autárquicos, um segundo conjunto de nomes que se juntam aos 46 aprovados e divulgados no final de janeiro.

"O Partido Social Democrata tem já cerca de um terço das candidaturas às eleições autárquicas homologadas. A Comissão Política Nacional reuniu esta terça-feira e homologou o segundo conjunto de nomes, num processo que ficará fechado até ao final de março", refere a edição de hoje da 'newsletter' diária do partido.

Neste segundo lote de candidatos às eleições autárquicas que se realizarão no outono deste ano, na qual ainda não consta o cabeça de lista a Lisboa, destaque para três capitais de distrito: em Coimbra o PSD terá como candidato a presidente da Câmara o médico Jaime Ramos (em coligação com o CDS-PP), em Castelo Branco Carlos Barata de Almeida e na Guarda recandidatará Álvaro Amaro.

A Vila Nova de Gaia (distrito do Porto) o PSD aprovou como número um à Câmara o antigo vereador José Joaquim Cancela Moura.

O PSD já aprovou 95 candidatos a câmaras municipais de um total de 308 municípios. Todos os nomes serão ainda ratificados em Conselho Nacional, órgão máximo entre Congressos, a realizar até ao final de março.

Por distritos, em Castelo Branco o PSD aprovou ainda o candidato a Oleiros, Fernando Marques Jorge.

Em Coimbra, foram aprovados, além da capital de distrito, os candidatos a presidentes das Câmaras de Cantanhede, Maria Helena Cruz Gomes de Oliveira, Condeixa-a-Nova, Nuno Manuel Mendes Claro, Figueira da Foz, Carlos Tenreiro, Penacova, António Simões da Cunha Santos (assinalado pelo PSD como independente), e Tábua, José Tavares Pereira (também independente).

Em Évora, o PSD aprovou os cabeças de lista autárquicos às autarquias do Redondo, David Fialho Galego, e Reguengos de Monsaraz, Elsa Góis.

No distrito de Faro, foram aprovados três candidatos: Francisco Caimoto Amaral para Castro Marim, José Inácio Eduardo para Lagoa, e Maria da Conceição Cipriano Cabrito a Vila Real de Santo António.

Na Guarda, além da capital de distrito, foram aprovados os candidatos às Câmaras de Aguiar da Beira, Fernando Costa Pires, de Almeida, António José Monteiro Machado, de Celorico da Beira, Carlos Ascensão (independente), de Figueira de Castelo Rodrigo, Carlos Condesso, e de Mêda, Aires Amaral (independente).

No distrito de Leiria, foram aprovados seis nomes: Paulo Inácio como candidato à Câmara Municipal de Alcobaça, José Gonçalves Vieira para o Bombarral, Ricardo Galo para a Marinha Grande, Humberto Marques para Óbidos, Luís Diogo Mateus para Pombal e José Vala para Porto de Mós.

Na área Oeste de Lisboa, já têm candidatos aprovados pela Comissão Política Nacional do PSD os concelhos da Lourinhã, Vanda Oliveira, Sobral de Monte Agraço, Joaquim Biancard Cruz, e Torres Vedras, Marco Claudino.

No distrito de Portalegre, o PSD indicou como candidato a presidente de Câmara de Arronches Fermelinda Carvalho, a Elvas Luís Manuel Fernandes, a Marvão Luís Vitorino e a Sousel Marta Carujo.

Para o distrito do Porto, foram aprovados seis candidatos além de Cancela Moura em Gaia: Miguel Dinis Correia para Baião, António Tiago para a Maia, José António Soares da Mota para Marco de Canaveses, Rui Ferreira para Paredes, Andreia da Silva Neto para Santo Tirso e Luís Miguel Ramalho para Valongo.

No distrito de Setúbal, o PSD aprovou os candidatos a Alcácer do Sal, Frederico d'Orey, a Grândola, Sónia dos Reis, e a Sesimbra Francisco Pereira Luís.

Finalmente, no distrito de Viseu foram aprovadas sete candidaturas: Bruno Maciel Rocha para a Câmara de Cinfães, Joaquim Messias para Mangualde, Isaura Pedro para Nelas, Paulo Antunes para Oliveira de Frades, Jaime Alves para Resende, Carlos Santiago para Sernancelhe e Manuel Custódio para Vila Nova de Paiva.

Em 31 de janeiro, o PSD tinha anunciado os primeiros 46 candidatos às eleições autárquicas deste ano, numa lista onde se destacavam Marco Almeida (independente), em Sintra, Carlos Carreiras, em Cascais, e Fernando Costa, em Leiria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.