Sócrates diz que relação com Costa já "não existe"

O antigo primeiro-ministro lamenta que o "PS se junte às vozes da direita numa condenação sem julgamento". " Isso é um ato ignóbil", acusa em entrevista à revista Visão

O ex-primeiro-ministro José Sócrates considera que o PS, com o "seu silêncio", foi "cúmplice dos abusos" cometidos contra si no processo Marquês, numa entrevista à revista Visão em que explicita que a sua relação com António Costa "não existe".

"Lamento que o PS se junte às vozes da direita numa condenação sem julgamento; isso é um ato ignóbil. Mesmo na questão do Manuel Pinho (ex-ministro da Economia), o PS não se comportou como devia", argumenta ao ex-líder socialista.

Na entrevista à Visão, que irá para as bancadas na quinta-feira, Sócrates volta a justificar a sua desfiliação do PS com a necessidade de evitar um "embaraço mútuo", mas vai mais longe e diz não admitir certo tipo de declarações a camaradas seus.

O PS, com o seu silêncio foi, de certa forma, cúmplice de todos os abusos cometidos contra mim

"Não admito esse tipo de declarações a camaradas meus e tínhamos de acabar com esse embaraço mútuo", acentua o ex-secretário-geral do PS numa entrevista de seis páginas.

Em vésperas do 22.º Congresso Nacional do PS e menos de um mês depois de se ter desfiliado, José Sócrates admite que o mal-estar com o partido já vinha de trás.

"É sabido que eu tinha um incómodo com o PS, que este se devia ao facto de o PS, com o seu silêncio, ser, de certa forma, cúmplice de todos os abusos cometidos contra mim: a detenção para interrogatório, a prisão para investigação, a campanha de difamação baseada na violação do segredo de justiça. E o silêncio embaraçante que permitiu que um juiz assumisse, numa entrevista, uma posição de completa parcialidade", sublinha.

Relação com António Costa "está como há quatro anos: não existe", afirma José Sócrates

E José Sócrates continua: "E, sim, o mal-estar já vinha de antes. O PS foi cúmplice desses abusos. Tive essa consciência, mas nada disse. Eu próprio recomendei a distância. Só que este processo é excecional, teve uma motivação exclusivamente política. Teve e tem", acusa.

Questionado sobre a sua relação com o atual secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, José Sócrates responde: "Está como há quatro anos: não existe".

Colocada a questão se a visita que Costa lhe fez na prisão de Évora foi "uma encenação", José Sócrates reage com exaltação e com perguntas e exclamações "como pode pensar isso", "está a perguntar mal" ou "presume mal".

"Desculpe lá! Presume mal! A minha relação com António Costa não existe, mas não pode dizer que a visita foi um gesto de hipocrisia! Permitir-se insinuar isso é obsceno! Eu tinha uma relação política e pessoal que estes anos extinguiram! É só isto!", conclui o ex-chefe do Governo.

José Sócrates, único líder do PS a conseguir uma maioria absoluta, anunciou a sua desfiliação no passado dia 4 num artigo de opinião publicado no Jornal de Notícias.

Foi primeiro-ministro entre 2005 e 2011 e enfrenta agora, tal como outros arguidos, acusações do Ministério Público de diversos crimes económico-financeiros, nomeadamente de corrupção, no âmbito de diversos processos judiciais, tendo estado detido preventivamente entre 2014 e 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."