Congresso Nacional do PS com homenagem a Mário Soares e evocação de António Arnaut

O Congresso Nacional do PS, na Batalha, distrito de Leiria, abre na sexta-feira, pelas 19:30, com uma homenagem ao fundador e primeiro líder do partido, Mário Soares, seguindo-se a intervenção inicial do secretário-geral, António Costa.

Mário Soares, antigo Presidente da República e primeiro-ministro, morreu em 07 de janeiro de 2017, e o Congresso da Batalha será o primeiro após o falecimento, aos 92 anos, do fundador e primeiro secretário-geral do PS.

Durante o Congresso, em momento a definir, será também feita uma evocação da vida e obra do presidente honorário do PS, António Arnaut, que faleceu na segunda-feira, em Coimbra, aos 82 anos.

De acordo com o programa provisório do Congresso, disponível no site do PS, logo após a homenagem a Mário Soares, ainda na sexta-feira, por volta das 20:30, António Costa fará a primeira das suas duas intervenções de fundo.

O segundo discurso formal de António Costa acontecerá na sessão de encerramento, no domingo, pelas 12:30 - uma intervenção tradicionalmente mais virada para as questões políticas nacionais de caráter governativo.

Após a sessão de abertura, na sexta-feira, o Congresso Nacional do PS reabre no sábado de manhã, com os delegados a votarem para o lugar de presidente do PS - cargo atualmente exercido por Carlos César -, assim como para a constituição da Mesa do Congresso e da Comissão de Verificação de Poderes e Comissão de Honra.

Para as 10:15 está prevista a abertura dos trabalhos com a proclamação dos resultados, devendo o presidente eleito do PS fazer o seu discurso de fundo pelas 11:00.

Os delegados socialistas ouvem depois as intervenções do presidente do Partido Socialista Europeu (PES), Sergei Stanishev, do líder do Partido Socialista Obrero Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez (líder do PSOE), e do presidente da delegação do PS do Parlamento Europeu, Carlos Zorrinho.

Ainda na manhã de sábado será feita a apresentação das duas moções políticas e orientação nacional: "Reinventar a Democracia", do dirigente socialista Daniel Adrião; e "Geração 20730", que tem como primeiro subscritor António Costa.

O período de discussão das moções de orientação política estender-se-á pela tarde de sábado, estando a votação alternativa (por braço no ar) das duas propostas agendada para as 19:00.

Fonte socialista adiantou à agência Lusa que o PS, ao contrário da prática habitual em congressos partidários, não prolongará os trabalhos pela noite de sexta-feira e na madrugada de sábado.

Ainda do acordo com o programa provisório, por voto secreto, os delegados socialistas elegem no domingo de manhã os órgãos nacionais, entre eles a Comissão Nacional e a Comissão Política.

Em simultâneo, os delegados socialistas discutem e votam as duas propostas de alterações dos estatutos: uma da direção de António Costa e a outra da candidatura de Daniel Adrião, assim como as 24 moções setoriais apresentadas ao Congresso.

Nos últimos congressos deste partido, por atrasos verificados no cumprimento da ordem de trabalhos, tanto a discussão e a votação das moções setoriais como as propostas de revisão dos estatutos foram remetidas para a primeira reunião da Comissão Nacional pós-congresso.

Segundo o programa provisório, os resultados das eleições para a Comissão Nacional (o órgão máximo entre congressos) e da Comissão Política (o órgão partidário de direção alargada) deverão ser proclamados pelas 12:00 de domingo, ou seja, meia hora antes do discurso de encerramento do Congresso a cargo do secretário-geral socialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.