Congresso Nacional do PS com homenagem a Mário Soares e evocação de António Arnaut

O Congresso Nacional do PS, na Batalha, distrito de Leiria, abre na sexta-feira, pelas 19:30, com uma homenagem ao fundador e primeiro líder do partido, Mário Soares, seguindo-se a intervenção inicial do secretário-geral, António Costa.

Mário Soares, antigo Presidente da República e primeiro-ministro, morreu em 07 de janeiro de 2017, e o Congresso da Batalha será o primeiro após o falecimento, aos 92 anos, do fundador e primeiro secretário-geral do PS.

Durante o Congresso, em momento a definir, será também feita uma evocação da vida e obra do presidente honorário do PS, António Arnaut, que faleceu na segunda-feira, em Coimbra, aos 82 anos.

De acordo com o programa provisório do Congresso, disponível no site do PS, logo após a homenagem a Mário Soares, ainda na sexta-feira, por volta das 20:30, António Costa fará a primeira das suas duas intervenções de fundo.

O segundo discurso formal de António Costa acontecerá na sessão de encerramento, no domingo, pelas 12:30 - uma intervenção tradicionalmente mais virada para as questões políticas nacionais de caráter governativo.

Após a sessão de abertura, na sexta-feira, o Congresso Nacional do PS reabre no sábado de manhã, com os delegados a votarem para o lugar de presidente do PS - cargo atualmente exercido por Carlos César -, assim como para a constituição da Mesa do Congresso e da Comissão de Verificação de Poderes e Comissão de Honra.

Para as 10:15 está prevista a abertura dos trabalhos com a proclamação dos resultados, devendo o presidente eleito do PS fazer o seu discurso de fundo pelas 11:00.

Os delegados socialistas ouvem depois as intervenções do presidente do Partido Socialista Europeu (PES), Sergei Stanishev, do líder do Partido Socialista Obrero Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez (líder do PSOE), e do presidente da delegação do PS do Parlamento Europeu, Carlos Zorrinho.

Ainda na manhã de sábado será feita a apresentação das duas moções políticas e orientação nacional: "Reinventar a Democracia", do dirigente socialista Daniel Adrião; e "Geração 20730", que tem como primeiro subscritor António Costa.

O período de discussão das moções de orientação política estender-se-á pela tarde de sábado, estando a votação alternativa (por braço no ar) das duas propostas agendada para as 19:00.

Fonte socialista adiantou à agência Lusa que o PS, ao contrário da prática habitual em congressos partidários, não prolongará os trabalhos pela noite de sexta-feira e na madrugada de sábado.

Ainda do acordo com o programa provisório, por voto secreto, os delegados socialistas elegem no domingo de manhã os órgãos nacionais, entre eles a Comissão Nacional e a Comissão Política.

Em simultâneo, os delegados socialistas discutem e votam as duas propostas de alterações dos estatutos: uma da direção de António Costa e a outra da candidatura de Daniel Adrião, assim como as 24 moções setoriais apresentadas ao Congresso.

Nos últimos congressos deste partido, por atrasos verificados no cumprimento da ordem de trabalhos, tanto a discussão e a votação das moções setoriais como as propostas de revisão dos estatutos foram remetidas para a primeira reunião da Comissão Nacional pós-congresso.

Segundo o programa provisório, os resultados das eleições para a Comissão Nacional (o órgão máximo entre congressos) e da Comissão Política (o órgão partidário de direção alargada) deverão ser proclamados pelas 12:00 de domingo, ou seja, meia hora antes do discurso de encerramento do Congresso a cargo do secretário-geral socialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.