PS também admite eutanásia no sistema privado de saúde

Processo legislativo de despenalização da morte assistida avança. Socialistas anunciaram ontem que vão ter projeto próprio, juntando-se assim ao PAN e ao BE

A indecisão acabou. O PS terá um projeto de lei próprio sobre eutanásia, assumido oficialmente pela direção da bancada. Ou seja, a iniciativa socialista não se resumirá nesta matéria a um projeto autónomo de deputados da bancada - no caso, Isabel Moreira e Maria Antónia Almeida Santos, entre outros.

Consciente de que a despenalização da morte assistida tem forte apoio na generalidade do grupo parlamentar, Carlos César oficializou ontem o facto, com uma declaração à Lusa: "O PS apresentará um projeto próprio para a legalização da eutanásia." Na mesma declaração, César ressalvou que cada deputado socialista poderá votar como quiser, dizendo que o PS apresentará um "projeto próprio" mas "sem prejuízo da liberdade de voto, que tem aplicação geral".

O anúncio de César ocorreu dois dias depois de o Bloco de Esquerda ter apresentado, numa conferência em Lisboa, o seu projeto final. O texto bloquista foi formalmente entregue ontem na mesa da Assembleia da República. Há quase um ano, o PAN também havia entregue o seu projeto.

O projeto do PS ainda está a ser escrito mas, ao que o DN apurou, não terá grandes diferenças face aos do Bloco de Esquerda e do PAN. Todos colocam a possibilidade da morte assistida exclusivamente como um ato médico. Ou seja: não será aberta a porta à possibilidade de ser ministrada ao doente por alguém que não um médico (um familiar, por exemplo).

Outro dado comum aos três diplomas é a possibilidade deste ato médico ocorrer tanto em unidades do sistema público de saúde (SNS) como em unidades privadas - ou até no domicílio do doente (com visto prévio favorável e acompanhamento do médico responsável). Quanto a estabelecimentos de saúde, o projeto do PAN admite "instalações privadas" enquanto o do Bloco de Esquerda refere estas mas também estabelecimentos do "setor social" (desde, claro, "que estejam devidamente licenciados e autorizados para a prática de cuidados de saúde, disponham de internamento e de local adequado e com acesso reservado").

E se o doente ficar inconsciente?

O projeto do Bloco de Esquerda foi entregue depois de um longo processo de auscultação da sociedade civil levado a cabo pelos principais protagonistas do partido nesta matéria, o médico João Semedo e o jurista (e deputado) José Manuel Pureza.

Do anteprojeto apresentado há quase um ano para o atual texto há algumas diferenças. Uma delas tem que ver com o que acontecerá caso o doente a quem já tenha sido autorizada uma morte assistida fique inconsciente. No articulado inicial lia-se que "no caso de o doente ficar inconsciente antes da data marcada para a antecipação da morte, o procedimento é interrompido e não se realiza, salvo se o doente recuperar a consciência e mantiver a sua decisão".

Na versão atual, introduziu-se uma cláusula de exceção: um doente inconsciente poderá ser eutanasiado se isso estiver disposto na sua "Declaração Antecipada de Vontade constante do respetivo Testamento Vital".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.