PS quer propinas pagas a prestações em todo o ensino superior

Proposta legislativa visa alargar sistema a todas as universidades e permitir um mínimo de sete pagamentos

O PS apresentou um projeto-lei para que todas as universidades aceitem o pagamento das propinas a prestações em pelo menos sete mensalidades.

O modelo em vigor varia consoante as universidades e institutos politécnicos, alguns dos quais continuam a exigir o pagamento das propinas - cujo valor máximo é de 1063 euros - de uma só vez, informa esta terça-feira o Público.

No caso das instituições de ensino superior que permitem o pagamento faseado, os prazos variam entre as três e as noves prestações.

O projeto-lei do PS prevê uma outra alteração à Lei de de Bases de Financiamento do Ensino Superior, destinada aos estudantes beneficiários de bolsas de ação social.

O objetivo desta medida é condicionar o pagamento das propinas por parte desses alunos ao início efetivo da receção das bolsas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).