PS quer propinas pagas a prestações em todo o ensino superior

Proposta legislativa visa alargar sistema a todas as universidades e permitir um mínimo de sete pagamentos

O PS apresentou um projeto-lei para que todas as universidades aceitem o pagamento das propinas a prestações em pelo menos sete mensalidades.

O modelo em vigor varia consoante as universidades e institutos politécnicos, alguns dos quais continuam a exigir o pagamento das propinas - cujo valor máximo é de 1063 euros - de uma só vez, informa esta terça-feira o Público.

No caso das instituições de ensino superior que permitem o pagamento faseado, os prazos variam entre as três e as noves prestações.

O projeto-lei do PS prevê uma outra alteração à Lei de de Bases de Financiamento do Ensino Superior, destinada aos estudantes beneficiários de bolsas de ação social.

O objetivo desta medida é condicionar o pagamento das propinas por parte desses alunos ao início efetivo da receção das bolsas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".