PS orgulhoso de discutir "dislates" em nome da liberdade

Deputados socialistas decidiram discutir no parlamento petição contra a atribuição do nome de Mário Soares ao futuro aeroporto do Montijo

O líder parlamentar do PS manifestou hoje "orgulho" em "discutir dislates" no parlamento porque a "liberdade assim o obriga", referindo-se à petição que se insurge contra a atribuição do nome de Mário Soares ao futuro aeroporto do Montijo.

No plenário da Assembleia da República, Carlos César foi o primeiro a intervir, não para debater o conteúdo da petição, mas para responder aos peticionários, seguindo-se o deputado do PSD António Silva e do CDS-PP, Hélder Amaral. O PCP, o BE e PEV ficaram em silêncio.

"Aos subscritores, respondemos com o orgulho de estar na Assembleia da República a discutir dislates porque a liberdade assim o obriga. E, parafraseando Voltaire, não concordamos com o que dizem, mas batemo-nos para que o possam fazer", disse.

A petição, que deu entrada o ano passado no parlamento, insurge-se contra a eventual atribuição do nome do ex-presidente da República Mário Soares, ao futuro aeroporto do Montijo.

Carlos César admitiu ter hesitado em pronunciar-se sobre a petição, mas, justificou, não quis "por um segundo" que o silêncio do parlamento "transigisse com a insciência, a provocação e a traição à história".

Aplaudido de pé pela bancada do PS, o líder parlamentar socialista afirmou que podia recordar aos "menos de dez mil subscritores os quase três milhões e meio" de portugueses que "fizeram eleger e reeleger Mário Soares como Presidente da República" e "recordar os dez milhões que em Portugal tanto lhe devem".

Quanto ao conteúdo da petição, César sublinhou que "nem sequer está aprovada a proposta final de localização do novo aeroporto" e, por outro lado, "não é suposto a Assembleia da República deliberar sobre nomes de equipamentos".

Com argumento idêntico, o deputado do CDS-PP Hélder Amaral considerou que a petição é extemporânea, frisando que não há aeroporto, nada está previsto no Orçamento do Estado e, em última análise, quem deve decidir sobre se há ou não aeroporto e qual é o nome que deve ter é o Governo.

Do lado do PSD, António Silva, considerou igualmente extemporânea a iniciativa, mas, sustentou, honrar a memória de Mário Soares é também debater aquele tipo de petições.

E, acrescentou, o PSD "sempre entendeu que se deve combater as ideias, mas nunca combater os homens".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.