PS orgulhoso de discutir "dislates" em nome da liberdade

Deputados socialistas decidiram discutir no parlamento petição contra a atribuição do nome de Mário Soares ao futuro aeroporto do Montijo

O líder parlamentar do PS manifestou hoje "orgulho" em "discutir dislates" no parlamento porque a "liberdade assim o obriga", referindo-se à petição que se insurge contra a atribuição do nome de Mário Soares ao futuro aeroporto do Montijo.

No plenário da Assembleia da República, Carlos César foi o primeiro a intervir, não para debater o conteúdo da petição, mas para responder aos peticionários, seguindo-se o deputado do PSD António Silva e do CDS-PP, Hélder Amaral. O PCP, o BE e PEV ficaram em silêncio.

"Aos subscritores, respondemos com o orgulho de estar na Assembleia da República a discutir dislates porque a liberdade assim o obriga. E, parafraseando Voltaire, não concordamos com o que dizem, mas batemo-nos para que o possam fazer", disse.

A petição, que deu entrada o ano passado no parlamento, insurge-se contra a eventual atribuição do nome do ex-presidente da República Mário Soares, ao futuro aeroporto do Montijo.

Carlos César admitiu ter hesitado em pronunciar-se sobre a petição, mas, justificou, não quis "por um segundo" que o silêncio do parlamento "transigisse com a insciência, a provocação e a traição à história".

Aplaudido de pé pela bancada do PS, o líder parlamentar socialista afirmou que podia recordar aos "menos de dez mil subscritores os quase três milhões e meio" de portugueses que "fizeram eleger e reeleger Mário Soares como Presidente da República" e "recordar os dez milhões que em Portugal tanto lhe devem".

Quanto ao conteúdo da petição, César sublinhou que "nem sequer está aprovada a proposta final de localização do novo aeroporto" e, por outro lado, "não é suposto a Assembleia da República deliberar sobre nomes de equipamentos".

Com argumento idêntico, o deputado do CDS-PP Hélder Amaral considerou que a petição é extemporânea, frisando que não há aeroporto, nada está previsto no Orçamento do Estado e, em última análise, quem deve decidir sobre se há ou não aeroporto e qual é o nome que deve ter é o Governo.

Do lado do PSD, António Silva, considerou igualmente extemporânea a iniciativa, mas, sustentou, honrar a memória de Mário Soares é também debater aquele tipo de petições.

E, acrescentou, o PSD "sempre entendeu que se deve combater as ideias, mas nunca combater os homens".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.