PS nega falência e diz que honra compromissos financeiros

Comissão Permanente socialista assume "situação financeira complexa" e diz que está a amortizar dívida do partido

O PS negou esta sexta-feira de manhã que o partido esteja em falência e que ande a pedir dinheiro aos seus dirigentes e militantes para pagar contas da luz e água, como antecipava o Jornal de Notícias na sua edição de hoje.

Num comunicado emitido pela Comissão Permanente socialista, o PS defende que "há uma enorme diferença entre uma situação financeira complexa e uma falência" e que o partido "está a honrar, em plenitude, os seus compromissos financeiros e iniciou mesmo, no ano corrente, um processo de amortização de dívida negociado com as instituições de crédito que permitirá uma redução sustentada do seu endividamento".

Segundo o Jornal de Notícias, há casos de dirigentes e militantes que estão a ser chamados a pagar as contas de sedes, nomeadamente de despesas de funcionamento com água e luz. No comunicado, o PS recusa "ser acusado de pedir dinheiro aos seus dirigentes e militantes", notando antes que "um partido vive da solidariedade e do trabalho generoso dos seus militantes, pois mais não é que expressão desse coletivo".

Assim, a Comissão Permanente admite que "mal seria que o PS não contasse, como conta e sempre contou, com o apoio dos seus dirigentes e militantes, tanto para o trabalho político como para os aspetos das despesas operacionais correntes".

Por fim, os socialistas dizem que as verbas das receitas das quotas foram transferidas, "no corrente ano", "para as federações distritais, estruturas a quem cabe depois gerir essas verbas conjuntamente com as estruturas locais, processo que decorre com toda a normalidade".

Ler mais

Exclusivos