PS nega falência e diz que honra compromissos financeiros

Comissão Permanente socialista assume "situação financeira complexa" e diz que está a amortizar dívida do partido

O PS negou esta sexta-feira de manhã que o partido esteja em falência e que ande a pedir dinheiro aos seus dirigentes e militantes para pagar contas da luz e água, como antecipava o Jornal de Notícias na sua edição de hoje.

Num comunicado emitido pela Comissão Permanente socialista, o PS defende que "há uma enorme diferença entre uma situação financeira complexa e uma falência" e que o partido "está a honrar, em plenitude, os seus compromissos financeiros e iniciou mesmo, no ano corrente, um processo de amortização de dívida negociado com as instituições de crédito que permitirá uma redução sustentada do seu endividamento".

Segundo o Jornal de Notícias, há casos de dirigentes e militantes que estão a ser chamados a pagar as contas de sedes, nomeadamente de despesas de funcionamento com água e luz. No comunicado, o PS recusa "ser acusado de pedir dinheiro aos seus dirigentes e militantes", notando antes que "um partido vive da solidariedade e do trabalho generoso dos seus militantes, pois mais não é que expressão desse coletivo".

Assim, a Comissão Permanente admite que "mal seria que o PS não contasse, como conta e sempre contou, com o apoio dos seus dirigentes e militantes, tanto para o trabalho político como para os aspetos das despesas operacionais correntes".

Por fim, os socialistas dizem que as verbas das receitas das quotas foram transferidas, "no corrente ano", "para as federações distritais, estruturas a quem cabe depois gerir essas verbas conjuntamente com as estruturas locais, processo que decorre com toda a normalidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.