PS não precisa de "novos aliados"

Presidente do PS comentou avisos do PCP e Bloco de Esquerda

O líder parlamentar do PS, Carlos César, evitou hoje, em Penacova, Coimbra, comentar os avisos do PCP e do BE para os riscos de um Bloco Central, mas advertiu que os socialistas não precisam de novos aliados.

No final de uma manhã de visita às áreas ardidas no último verão e outono passado, Carlos César admitiu que, com a eleição de Rui Rio para líder do PSD, o PS passou a dispor de um interlocutor "mais sólido", recusando, porém, responder diretamente aos alertas do PCP e do BE.

"Volvido este período, em que PSD foi um pouco terra de ninguém [com as eleições internas], estão criadas as condições para uma interlocução mais sólida. Não precisamos de ter novos aliados, mas precisamos de ter todos os interlocutores", disse Carlos César aos jornalistas depois de visitar uma fábrica de reciclagem em Outeiro Longo, no meio da serra.

César recusou responder diretamente aos alertas de Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, e da coordenadora do BE, Catarina Martins, de estar a crescer a ideia de uma Bloco Central, entre o PS e PSD, que classificou de "temas laterais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.