PS não precisa de "novos aliados"

Presidente do PS comentou avisos do PCP e Bloco de Esquerda

O líder parlamentar do PS, Carlos César, evitou hoje, em Penacova, Coimbra, comentar os avisos do PCP e do BE para os riscos de um Bloco Central, mas advertiu que os socialistas não precisam de novos aliados.

No final de uma manhã de visita às áreas ardidas no último verão e outono passado, Carlos César admitiu que, com a eleição de Rui Rio para líder do PSD, o PS passou a dispor de um interlocutor "mais sólido", recusando, porém, responder diretamente aos alertas do PCP e do BE.

"Volvido este período, em que PSD foi um pouco terra de ninguém [com as eleições internas], estão criadas as condições para uma interlocução mais sólida. Não precisamos de ter novos aliados, mas precisamos de ter todos os interlocutores", disse Carlos César aos jornalistas depois de visitar uma fábrica de reciclagem em Outeiro Longo, no meio da serra.

César recusou responder diretamente aos alertas de Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, e da coordenadora do BE, Catarina Martins, de estar a crescer a ideia de uma Bloco Central, entre o PS e PSD, que classificou de "temas laterais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.