PS marca Congresso Nacional para a Batalha entre 25 e 27 de maio

Comissão Nacional do partido aprovou proposta por unanimidade

A Comissão Nacional do PS aprovou hoje, por unanimidade, a proposta para que o congresso deste partido se realize na Batalha, distrito de Leiria, entre 25 e 27 de maio, disse à agência Lusa fonte oficial socialista.

Tal como estava previsto, as eleições diretas para o cargo de secretário-geral do PS, as terceiras às quais António Costa vai concorrer, vão decorrer entre os dias 11 e 12 de maio.

Inicialmente, a Comissão Permanente do PS apontou Matosinhos para local do Congresso Nacional, mas, segundo fonte socialista, o secretário-geral, António Costa, pretendeu transmitir "um sinal de maior descentralização" quanto às prioridades do seu partido.

Face às propostas existentes para local do congresso, o Secretariado Nacional do PS acabou por optar pelo município da Batalha.

"A reforma da descentralização é uma das principais prioridades políticas do Governo e do Grupo Parlamentar do PS em 2018", justificou à agência Lusa um membro da direção deste partido.

A Comissão Nacional do PS confirmou também a proposta feita pela Comissão Permanente dos socialistas para que o ex-secretário de Estado da Indústria João Vasconcelos seja o presidente da Comissão Organizadora do Congresso (COC).

A equipa proposta para a COC, de resto, foi igualmente aprovada por unanimidade, com a minoria liderada pelo dirigente socialista Daniel Adrião a conseguir incluir já um dos seus elementos nesse elenco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.