PS lamenta triunfo de "coligação de mercearia de interesses"

A eleição do italiano António Tajani (PPE) deixa PCP e Bloco de Esquerda sem expectativas no Parlamento Europeu.

O eurodeputado socialista Carlos Zorrinho criticou hoje a "coligação de mercearia de interesses" que levou à eleição do candidato do Partido Popular Europeu, o italiano Antonio Tajani, como presidente do Parlamento Europeu (PE).

"A Europa precisa de clarificação e o candidato que apoiávamos (o socialista italiano Gianni Pitella) apresentava uma plataforma progressista, mas, infelizmente, foi derrotado por uma coligação de mercearia de interesses, que somou pessoas que até há pouco tempo defendiam os Estados Unidos da Europa a outras que proporcionaram que a Inglaterra saísse da União Europeia", afirmou Carlos Zorrinho, em Estrasburgo.

O chefe da delegação portuguesa dos Socialistas & Democratas (S&D) referia-se ao apoio prestado a Tajani pelo belga Guy Verhoftasdt (Aliança Liberais e Democratas Europeus) e e pelos Conservadores e Reformistas Europeus.

"Esta candidatura simboliza aquilo que de pior marcou os últimos anos e o presente da União Europeia. Até pelo acordo que conhecemos entre PPE e liberais, que reafirma as políticas levadas a cabo, aquilo que há a esperar é a persistência dessas políticas", condenou também o comunista João Ferreira, criticando "a grande coligação direita, mas também a social-democracia, os socialista europeus, cujo candidato era "igualmente comprometido".

A deputada bloquista Marisa Matias, igualmente incluída, como o PCP, na Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (GUE/NGL), lembrou que Tajani esteve envolvido "no escândalo das emissões poluentes da Volkswagen", além de ter sido "um dos braços direitos de Berlusconi (antigo primeiro-ministro italiano)".

"Não tenho grandes expectativas", resumiu, referindo-se ao PPE, Conservadores, Liberais e à Extrema-direita.

Tajani, que foi "vice" de Durão Barroso na Comissão Europeia, foi o escolhido apenas à última de quatro voltas ao longo do dia, com 351 votos face aos 282 de Pittella.

Na terceira volta, a belga Helga Stevens (Conservadores e Reformistas Europeus), primeira mulher surda belga a praticar advocacia, tinha sido a terceira posicionada, com 58 votos.

A italiana Eleonora Forenza, membro da comissão executiva da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (GUE/NGL) - à qual pertencem PCP e BE -, foi a quarta, com 45, seguindo-se o romeno Laureniu Rebega (Europa das Nações e da Liberdade), com 44, e a britânica Jean Lambert (Verdes/Aliança Livre Europeia), com 35.

Além do substituto do socialista Martin Schulz, que vai concorrer ao parlamento alemão nas próximas eleições e pode vir a desafiar a chanceler Angela Merkel, os eurodeputados vão ainda decidir até quinta-feira sobre 14 vice-presidentes do PE, cinco gestores (administração do PE) e os membros das 22 comissões permanentes.

Portugal está representado no PE por 21 deputados, oito do PPE (seis do PSD, um do CDS-PP e um do MPT), oito dos S&D (PS), quatro da GUE/NGL (três do PCP, uma do BE) e um da ALDE (PRD).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.