O aviso? PS fez "opção política" ao estabelecer acordo com PSD

Mariana Mortágua considerou que o Partido Socialista "fez uma opção política ao negociar e ao fazer um acordo com o PSD para a negociação do próximo quadro de fundos comunitários"

A assinatura dos dois acordos foi confirmada por fontes do executivo e do PSD, depois de o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, ter anunciado na terça-feira, no parlamento, que António Costa e Rui Rio se reuniriam esta quarta-feira com vista a "uma convergência" para a descentralização de competências para as autarquias.

O BE considerou hoje que "o PS fez uma opção política" ao estabelecer um acordo com o PSD sobre fundos comunitários, sublinhando que os bloquistas fazem uma "má avaliação" das negociações anteriores entre socialistas e sociais-democratas nestas matérias.

Questionada no parlamento sobre estes acordos, a deputada do BE, Mariana Mortágua, desvalorizou-os ao recordar que "o PS e o PSD - bloco central - têm uma longa tradição de negociação e aplicação conjunta de fundos comunitários".

"Nós fazemos uma má avaliação dessas escolhas. Ao longo dos últimos anos privilegiaram as parceiras público-privadas, os setores rentistas da sociedade, não contribuíram, na nossa avaliação, para o desenvolvimento do setor produtivo como deveriam ter contribuído e, portanto, não fizeram a melhor utilização dos recursos disponíveis", criticou.

A deputada bloquista considerou, por isso, que "o PS fez uma opção política ao negociar e ao fazer um acordo com o PSD para a negociação do próximo quadro de fundos comunitários".

Nós temos posição política e temos contributos a dar sobre os investimentos públicos e a aplicação de fundos comunitários. Continuaremos a fazê-lo e a participar no debate como sempre fizemos

O primeiro-ministro, António Costa, e o presidente do PSD, Rui Rio, vão formalizar esta quarta-feira, no final da tarde, em Lisboa, os acordos entre o Governo e os sociais-democratas sobre a descentralização e o futuro quadro comunitário.

A apresentação dos acordos sobre a descentralização e o Portugal 2030 vai realizar-se na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento.

Na terça-feira, António Costa defendeu que os temas estruturantes deveriam ser alvo de acordos o mais alargados possível.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?