PS fez bem em não deixar que se criminalizassem políticas de Sócrates

Pedro Adão e Silva classifica congresso dos socialistas como "bastante tranquilo"

Pedro Adão e Silva classifica primeiras horas do congresso do PS como " bastante tranquilo". Uma tranquilidade que levou ao debate "insólito" sobre a ideologia do partido. Já que, como sublinha, o comentador da TSF este é um congresso que "não tem nenhuma discussão em torno da liderança" e "é cedo para discutir um programa eleitoral".

O comentador considera que PS fez bem em não "aceitar uma espécie de criminalização das políticas" de José Sócrates. Separando a dimensão da justiça e da política em relação ao ex-primeiro-ministro. Recorde-se que José Sócrates saiu do PS, foi alvo de críticas por parte de elementos do partido e ontem, na abertura do congresso, António Costa elogiou as suas políticas no discurso de abertura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.