PS espera que "PSD e CDS-PP acabem com a guerrilha política"

João Galamba considerou hoje que "o mais importante é garantir que o acordo de recapitalização da CGD não é afetado

O PS considerou hoje que, na sequência da demissão do presidente da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, o mais importante é salvaguardar o processo de recapitalização e esperar que "PSD e CDS-PP acabem com a guerrilha política".

Estas posições foram assumidas pelo porta-voz dos socialistas, João Galamba, numa conferência de imprensa em que assumiu que o PS sempre "desejou que as coisas tivessem corrido melhor" no processo de recapitalização do banco público.

"O PS respeita naturalmente o pedido de demissão do presidente da CGD. Mas o mais importante é garantir que o acordo de recapitalização [com as entidades europeias] não é afetado", declarou João Galamba.

Perante os jornalistas, João Galamba defendeu que a questão relativa à composição da equipa da administração da CGD e o processo de recapitalização da Caixa são "independentes".

"O que esperamos é que o novo nome [do presidente] seja indicado o mais rapidamente possível, como aliás foi dito pelo primeiro-ministro [António Costa], e o processo de recapitalização da CGD possa decorrer com a normalidade que todos esperamos. Nunca nos podemos esquecer que o ponto mais importante da Caixa foi conseguir aquilo que muitos diziam ser impossível: A manutenção da CGD na esfera pública e a sua recapitalização pelo acionista Estado", salientou o porta-voz do PS.

Interrogado sobre a sucessão de casos que, ao longo dos últimos meses, envolveram António Domingues e a sua equipa - desde salários, entrega de declarações no Tribunal Constitucional e eventual conflito de interesses -, João Galamba referiu que "o Grupo Parlamentar do PS sempre disse que gostaria que alguns aspetos deste processo tivessem corrido melhor".

Questionado se António Domingues pode queixar-se de falta de apoio político por parte do Governo, João Galamba rejeitou essa tese.

"Neste processo, que dura há vários meses, um partido empenhou-se ativamente numa lógica niilista de causar dificuldades ao país no processo de recapitalização da Caixa. Esperemos que PSD e também CDS não embarquem numa tentativa de criarem novos problemas à CGD", declarou o porta-voz do PS.

Neste contexto, João Galamba deixou ainda um repto a PSD e CDS-PP em matéria de processo de reestruturação e recapitalização da CGD.

"Se PSD e CDS-PP são genuínos em defesa da manutenção de um banco público, compreenderão então a delicadeza deste processo e a importância de que chegue a bom porto. Espero que PSD e CDS-PP valorizem isso e não se entreguem à tática de pura guerrilha partidária, que tem unicamente como objetivo dificultar o processo de recapitalização da CGD", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.