PS e PSD no primeiro projeto a dois da legislatura

Sinal dos tempos, sociais-democratas e socialistas entregaram no final de maio um inédito projeto de lei conjunto

Demorou 944 dias a acontecer. A 24 de maio último, pela primeira vez nesta legislatura, deu entrada no parlamento um projeto de lei com a assinatura conjunta de socialistas e sociais-democratas. E não uma assinatura qualquer, mas a dos dois líderes parlamentares, Carlos César e Fernando Negrão.

Uma iniciativa simbólica, numa altura em que BE e PCP criticam a aproximação do PS à direita, e que tem por pano de fundo um tema - a descentralização - que promete ser outro foco de acordo entre os dois maiores partidos, relegando bloquistas e comunistas para o papel de oposição. Até ao final de julho irão a votos no parlamento dois diplomas fundamentais para a transferência de competências para as autarquias: a lei das Finanças Locais (já na próxima semana) e a lei-quadro da descentralização.

O projeto de lei dá corpo à Comissão Independente para a Descentralização que ficou inscrita na declaração conjunta entre o PSD e o governo, selada com um aperto de mão entre António Costa e Rui Rio, numa conferência de imprensa conjunta, a 18 de abril. Uma iniciativa que mereceu então do secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, uma crítica à "pompa espalhafatosa" que rodeou o acordo. Na mesma data, além da descentralização, ficou fechado o entendimento relativo aos fundos europeus.

O projeto de lei estabelece que a Comissão Independente "terá mandato até julho de 2019", sendo composta por seis personalidades e um coordenador, designados pela Assembleia da República. Uma equipa que deverá "proceder a uma profunda avaliação sobre a organização e funções do Estado, devendo igualmente avaliar e propor um programa de desconcentração da localização de entidades e serviços públicos". Exigida pelo PSD nas negociações da descentralização, a comissão apresentará conclusões praticamente no final da legislatura, o que remete uma eventual implementação das medidas para o pós-legislativas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.