PS, Bloco e PCP acusam PSD de aproveitamento político da tragédia de Pedrógão Grande

PSD desistiu esta quarta-feira do debate na Comissão Permanente da AR sobre lista de vítimas do incêndio de Pedrógão Grande

A esquerda criticou esta quarta-feira a decisão do PSD de desistir do debate de urgência na Comissão Permanente da Assembleia da República, acusando os sociais-democratas de "instrumentalizarem" para aproveitamento político o número de vítimas do incêndio em Pedrógão Grande, cujos nomes foram ontem revelados pela Procuradoria-Geral da República.

O PS considerou hoje que a desistência do PSD de requerer um debate sobre as vítimas de Pedrógão Grande tornou "clara" a sua tentativa de instrumentalização da tragédia e o desrespeito pelas instituições do Estado de Direito.

Estas críticas foram proferidas pelo vice-presidente da bancada socialista Pedro Delgado Alves, após o líder do Grupo Parlamentar do PSD, Hugo Soares, ter anunciado que desistia de requerer um debate de urgência da Comissão Permanente da Assembleia da República sobre a lista de vítimas do incêndio de Pedrógão Grande em junho passado.

"Ao desistir da conferência de líderes [prevista para hoje às 16:00] e de uma reunião da Comissão Permanente, ficou clara qual era a real intenção do PSD. Pela parte do PSD, mas também do CDS-PP, ficou clara a mera intenção de procurar criar um incidente, sem qualquer respeito pelas vítimas e pelas instituições do Estado de Direito", acusou o dirigente socialista.

Perante os jornalistas, Pedro Delgado Alves considerou que, "ao longo dos últimos dois ou três dias, em relação a um assunto que é particularmente transparente", o referente ao número de vítimas resultante do incêndio de Pedrógão Grande, "o PSD e o CDS-PP têm tentado criar um clima de especulação em torno de uma grande tragédia nacional, procurando marcar pontos politicamente".

"É inaceitável que, perante uma tragédia da qual resultaram 64 mortos e um número significativo de feridos, que causou prejuízos materiais elevados, se procure fazer um aproveitamento político", criticou o vice-presidente da bancada do PS.

Segundo Pedro Delgado Alves, na terça-feira, na sequência da divulgação da lista de vítima da tragédia pela Procuradoria-Geral da República, "ficou clara a identificação de todas as pessoas que infelizmente perderam a vida".

Pedro Delgado Alves referiu então que a lista de vítimas esteve sob segredo de justiça e que a PGR "foi particularmente clara na identificação" quando chegou o momento em que seria possível divulgá-la.

Bloco de Esquerda critica instrumentalização

Também o Bloco de Esquerda acusou hoje o PSD de "aproveitamento político" e de instrumentalizar o debate sobre o número de mortos nos incêndios de Pedrógão Grande, que pediu e do qual desistiu.

"Assistimos à politização de algo que deveria ser mantido para lá dos partidos políticos -- o número de vítimas da tragédia e a lista dessas vítimas", afirmou o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, no parlamento, após o PSD ter desistido de um debate em Comissão Permanente da Assembleia da República.

Pedro Filipe Soares acusou o PSD de "aproveitamento político" nos últimos dias em torno da divulgação da lista de mortos nos incêndios de Pedrógão, em junho.

Para o líder parlamentar bloquista, com a divulgação da lista, na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República (PGR) foi eliminada "qualquer ideia de falta de transparência, de tentativa de esconder a informação".

O BE acusou ainda o PSD de querer "instrumentalizar para o jogo partidário e político aquilo que nunca deveria entrar neste espaço", o número de vítimas.

PCP fala em desfecho lamentável

Já o PCP considerou que o PSD ter desistido do debate é um "desfecho lamentável".

"Só revela até que ponto o PSD tem procurado instrumentalizar as vítimas do incêndio de Pedrógão para fazer uma chicana política que é absolutamente inaceitável", disse o deputado comunista António Filipe em declarações aos jornalistas, na Assembleia da República.

"É fundamental acabar com este tipo de atitudes que só desprestigiam a vida política portuguesa", afirmou.

O importante, acrescentou, é agora combater os incêndios que ainda lavram no país e, no caso de Pedrógão Grande, "pôr em prática rapidamente os mecanismos de apoios aos familiares das vítimas".

Verdes apontam "falta de sentido de Estado"

O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) acusou o PSD de ter falta de "sentido de Estado e de bom senso" face ao "episódio triste e lamentável" sobre o debate em torno das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande.

Em declarações aos jornalistas, no parlamento, o deputado dos Verdes José Luís Ferreira afirmou que o pedido de debate feito pelo PSD, de que hoje desistiu, revela "falta de sentido de Estado e de bom senso".

Um debate como este, afirmou, "revela um desnorte preocupante e era perfeitamente dispensável".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.