PS chama Vieira da Silva ao parlamento após caso Raríssimas

Socialistas querem "todas as explicações"

O PS anunciou esta terça-feira que decidiu chamar o ministro Vieira da Silva à Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social para dar "todas as explicações" sobre o caso relativo a suspeitas de gestão danosa na associação Raríssimas.

Questionada sobre as razões da demissão de Manuel Delgado do cargo de secretário de Estado da Saúde na sequência do caso com a associação Raríssimas, a deputada do PS Idália Serrão referiu apenas que "foi uma opção da iniciativa" do próprio, apontando, logo a seguir, que o primeiro-ministro, António Costa, já nomeou para aquele lugar Rosa Matos Zorrinho.

Em declarações aos jornalistas no parlamento, Idália Serrão procurou antes salientar a decisão do PS no sentido de requerer a audição parlamentar do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, tendo em vista "o esclarecimento efetivo deste caso".

"O PS deixa aqui uma mensagem de apoio e de confiança nas Instituições Privadas de Solidariedade Social (IPSS) que desenvolvem um trabalho de complementaridade face ao Estado. As IPSS prestam às famílias um apoio inexcedível e imprescindível", considerou a antiga secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação.

Para Idália Serrão, na sequência do caso com a associação Raríssimas, "tudo tem de ficar esclarecido", até porque neste momento "há todo um alarme social".

"A relação entre o Estado e as IPSS, de forma alguma, pode ficar fragilizada ou beliscada. O trabalho que as IPSS fazem ao nível do apoio às famílias é de tal forma sério que não devem subsistir dúvidas", insistiu Idália Serrão.

No entanto, a deputada socialista defendeu também que este caso com a associação Raríssimas deverá levar o Estado a reforçar as ações inspetivas de acompanhamento.

"Devemos retirar os ensinamentos no sentido de aprofundar os mecanismos de acompanhamento e de reforço das retenções e das cautelas em relação às IPSS que gerem dinheiros públicos, assim como expetativas e necessidades das famílias. Depois de apurados os factos, quem tiver que ser responsabilizado que seja responsabilizado", completou Idália Serrão.

O Governo divulgou hoje, através de um comunicado oficial, que o primeiro-ministro, António Costa, aceitou pedido de exoneração de Manuel Delgado do cargo de secretário de Estado da Saúde e propôs a nomeação para o seu lugar de Rosa Matos Zorrinho.

Manuel Delgado deixa o Governo na sequência de uma reportagem transmitida no sábado pela TVI sobre alegadas irregularidades na gestão da Raríssimas - Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras, financiada por subsídios do Estado e donativos.

Também a presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa, apresentou hoje a sua demissão na sequência da investigação da TVI, noticia o Expresso.

A reportagem mostra documentos que colocam em causa a gestão da instituição de solidariedade social, nomeadamente da sua presidente, Paula Brito e Costa, e refere que Manuel Delgado foi consultor remunerado da Raríssimas, contratado entre 2013 e 2014, com um vencimento de três mil euros por mês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".