PS acusa PSD de "alarmismo e irresponsabilidade"

PS acusa PSD de "estigmatizar" o Montepio como "se fosse um bando de malfeitores"

O PS acusou esta sexta-feira o PSD de "alarmismo e irresponsabilidade" na forma como se opõe à entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Montepio, salientando que, com o anterior Governo, aquela instituição já participou em operações financeiras.

"O grupo parlamentar do PS queria repudiar veementemente as declarações irresponsáveis do deputado Adão Silva e o anúncio de um projeto que pretende proibir a Santa Casa de fazer investimentos financeiros. Não compreendemos esta posição, parece-nos alarmista e infundada", criticou o deputado e porta-voz do PS João Galamba.

Minutos antes, o vice-presidente da bancada do PSD Adão Silva tinha anunciado que o PSD vai entregar hoje no parlamento um projeto de resolução que pede ao Governo que proíba a entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) no capital de Montepio Geral, reiterando a sua posição contra esta operação.

"A Santa Casa tem disponibilidades financeiras que investe há muitos anos: já o fez no passado em aplicações no setor financeiro, já o fez no imobiliário, já o fez nos seguros. Não há propriamente aqui nenhuma novidade, nem nenhuma linha vermelha que tenha sido ultrapassada pela primeira vez", salientou João Galamba, afirmando que o dinheiro que será aplicado no Montepio "não será retirado à ação social".

O porta-voz do PS apontou, como exemplo, que a SCML participou na abertura do capital dos CTT, numa altura em que era tutelada pelo anterior Governo PSD/CDS-PP.

O alarmismo irresponsável criado hoje pelo PSD contraria toda a história da Santa Casa e a tutela que o PSD já teve sobre esta instituição

Por outro lado, o deputado socialista salientou que a Santa Casa tem "autonomia, estatutos, órgãos e competências próprias" e ninguém apontou qualquer irregularidade ou violação dos estatutos neste processo.

"Dizer que o Governo deve proibir um investimento especifico, que está dentro das competências e da autonomia da SCML, parece-nos totalmente despropositado e uma irresponsabilidade do PSD", acusou.

PS alerta que estas posições do PSD "estigmatizam" o Montepio como "se fosse um bando de malfeitores"

"Um partido com a responsabilidade do PSD não pode ter este tipo de discurso", disse, acusando ainda os sociais-democratas de "lançarem cortinas de fumo e criarem o pânico".

Em entrevista hoje à TSF e ao Diário de Notícias, o provedor da instituição, Edmundo Martinho, confirmou que a SCML vai entrar no capital da Caixa Económica do Montepio Geral.

O provedor da SCML adiantou que o negócio será fechado nas próximas semanas e "entrará numa dimensão que está em linha com o que a própria associação mutualista decidiu na semana passada de autorizar a direção da mutualista a alienar até 2% do seu capital".

De acordo com a TSF, a Santa Casa não vai entrar sozinha naqueles 2%, avançando com outras misericórdias e Instituições Particulares de Segurança Social (IPSS) para alcançar o investimento necessário, sendo que o valor a entregar pela SCML pode chegar no máximo aos 30 milhões de euros, ou seja 4% do ativo da instituição.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.